sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Idade Média

Teste seus conhecimentos sobre a Idade Média
Foto: Agenda:

- UEAP divulga resultado do vestibular 2014 http://abr.ai/1b6tNQw

- UFPA abre inscrições para Vestibular Especial http://abr.ai/1b6u6uK

- Prazo de inscrição da Uneal termina hoje (6) http://abr.ai/1b6uaKZ

- Vestibular para cursos à distância da UFSM está com inscrições abertas http://abr.ai/1b6uae1
01 - (UDESC SC/2011)
De modo geral, a historiografia considera o século XIV como aquele que assinala o início da crise do sistema feudal europeu. Sobre os fatores que contribuíram para configurar este cenário de crise do sistema feudal, assinale a alternativa incorreta.
A) As reformas religiosas de Lutero e Calvino.
B) A superexploração da terra e dos camponeses.
C) A crise de abastecimento de alimentos que levou fome à Europa.
D) A Peste Negra, que atingiu a Europa e se espalhou por todo o continente.

E) Emergência de revoltas rurais e urbanas em toda a Europa.



resposta: [A]
As reformas religiosas ocorreram no século XVI, portanto no contexto histórico da Idade Moderna.

02 - (UFTM MG/2011)
A cada um a sua função e o seu lugar na terra. No topo estão os religiosos, intermediários indispensáveis entre a cidade terrestre e a cidade celeste (...). Depois vêm os nobres, que receberam da Providência a qualidade de guerreiros e estão, portanto, investidos da missão de manutenção da ordem. Finalmente, para o último lugar são relegados os trabalhadores, destinados ao trabalho e ao sofrimento para o bem comum.
(Pierre Bonnassie. Dicionário de história medieval, 1985. Adaptado.)

O texto faz referência
A) a um tipo de organização social que se apoiava nas diferentes aptidões dos seres humanos.
B) às crenças milenaristas, segundo as quais apenas os pobres alcançariam o reino dos céus.
C) à igualdade social, que caracteriza a sociedade ocidental desde a Antiguidade.
D) ao antropocentrismo, que reservava lugar de destaque para a vontade dos indivíduos.
E) à divisão da sociedade em três ordens, colocada em xeque pela Revolução Francesa.




resposta:[E]
A sociedade feudal era composta por três estamentos (mesmo que grupos sociais com status praticamente fixo, não se pode dizer que a mudança de classe social não existia, pois alguns camponeses tornavam-se padres e passavam a integrar o baixo clero, por exemplo, mas essa mudança era rara e um servo dificilmente ascenderia à outra posição): os Nobres (guerreiros, bellatores), o Clero (religiosos, oratores), e os servos (mão de obra, laboratores).

 03 - (UFG GO/2011)
Leia o documento a seguir.
Em 1391, os desventurados das comarcas ao sudoeste da Inglaterra começaram a se sublevar dizendo que se lhes mantinha numa servidão excessiva e que no começo do mundo não havia servos, somente homens semelhantes aos seus senhores. E tratavam-nos como animais, coisa que não podiam seguir suportando: queriam ser todos iguais, e se cultivavam ou faziam algum trabalho para seus senhores, queriam receber o seu salário.
Crônicas de Jean Froissant.
PEDRERO-SÁNCHEZ, Maria Guadalupe. História da Idade Média: textos e testemunhas. São Paulo: Editora UNESP, 2000. p. 201; 207.

A Baixa Idade Média europeia foi marcada por várias revoltas populares no campo. Considerando a leitura do documento,
A) caracterize a servidão, estatuto contra o qual os camponeses passaram a se rebelar, no século XIV.
B) relacione o aumento da exploração servil e o desenvolvimento do comércio europeu no século XIV.



resposta:
A) O estatuto da servidão caracterizava-se pela ligação compulsória do servo à terra. Isso quer dizer que o servo estava preso ao feudo. Decorrente dessa condição, ao servo eram atribuídas obrigações para com o senhor feudal. Essas obrigações poderiam ser pagas, por exemplo, na forma de trabalho compulsório nas reservas do senhor (corvéia) e na destinação de parte da produção obtida no manso servil para o senhor feudal (talha). Cabia ao servo, também, pagar tributo ao senhor pelo uso de equipamentos comuns no feudo, tais como o arado, o moinho e o forno (banalidade). Diante das transformações ocorridas no século XIV, o estatuto da servidão passa a ser questionado, sendo reivindicada inclusive, conforme o documento, a remuneração da sua mão de obra (assalariamento).
B) O documento expressa uma crítica ao estatuto da servidão e indica que, no século XIV, a condição do servo piorou (há, conforme anotado, uma servidão excessiva). O aprofundamento da exploração servil relacionava-se diretamente às transformações ocorridas na economia europeia do período. A intensificação do comércio interno, associado ao abastecimento das cidades em expansão, e do externo, relacionado às rotas comerciais com o Oriente, resultou no aprofundamento da exploração servil de forma a garantir os rendimentos feudais e a gerar excedentes de produção dirigidos ao mercado.




04 - (UEPB/2011)
Más colheitas, fome, pestes, desemprego, inflação, abandono de aldeias e rebeliões violentas nas cidades e nos campos foram elementos que marcaram a sociedade medieval do século XIV. Considerando esta realidade, analise as proposições a seguir:
I. O uso ilimitado de adubos e o escasso conhecimento sobre conservação esgotaram o solo, agravando a crise de produção.
II. Para a religiosidade medieval tais catástrofes provocaram histeria, alimentavam superstições populares e aceleraram transformações.
III. Na França, o campesinato sublevou-se num movimento que ficou conhecido como ― jacqueries e que juntamente com outras revoltas rurais ameaçou a própria sobrevivência da nobreza e do clero.
Está(ão) correta(s) a(s) proposição(ões):
A) I, II e III.
B) I, apenas.
C) II, apenas.
D) III, apenas.
E) I e III, apenas.


resposta:[A]
 A crise que assolou a Europa Ocidental, nos séculos XIV e XV vem acompanhada do espírito da modernidade que começou a rondar a cabeça do homem europeu gerando fortes modificações políticas, econômicas, sociais e religiosas no sistema vigente. O regime feudal passou a sofrer fortes pressões internas e externas, que o modificaram, e muitas de suas estruturas entraram em colapso.




05 - (UDESC SC/2010)
Leia o excerto.
― Há fome. Cada grão de trigo semeado não dá mais de três, ou de quatro, quando o ano é realmente bom. Uma miséria. O obsidiante fantasma: atravessar o Inverno, aguentar até a Primavera para ir então à natureza, por brejos e matas, arrancar o sustento, armar ciladas, lançar as redes, procurar as bagas, as ervas, as raízes. Enganar a fome. De fato, este mundo parece vazio; na verdade, está sobrepovoado. Há três séculos que a população desatou a crescer, desde que abrandaram as grandes vagas de peste que durante os primórdios da Alta Idade Média, haviam assolado o mundo Ocidental.”
(DUBY, Georges, 1989, p. 10.)

Assinale a alternativa que contém o grupo social que mais se adapta à descrição referente ao cenário medieval acima.
A) A dura realidade da fome que se abatia sobre todos os grupos sociais da ordem feudal indistintamente.
B) A realidade vivida pelos membros do clero, que, por serem da Igreja Católica, praticavam o voto de pobreza.
C) A realidade da massa camponesa, base da sociedade feudal, que enfrentava períodos de escassez devido à baixa produtividade do cultivo de alimentos, entre outros fatores.
D) A realidade dos cavaleiros, que não sabiam cultivar a terra.
E) A realidade dos senhores feudais, que ficavam à mercê da produção dos servos do feudo.


resposta:[C] 
A partir do início do século XIV, uma profunda crise anunciou o final da época medieval. Fome, pestes, guerras e rebeliões de servos atingiram a essência do sistema feudal.



06 - (FGV/2010)
A chamada ―crise do século XIV, na Europa Ocidental, caracterizou-se por um conjunto de fatores como más colheitas, fome, epidemias, rebeliões camponesas e guerras. Pode-se dizer que tais elementos
A) fortaleceram as instituições medievais, principalmente o caráter internacional das universidades.
B) abalaram o sistema feudal, provocando uma acentuada queda demográfica, num processo inverso ao da expansão verificada entre os séculos XI e XIII.
C) contribuíram para o aumento relativo da população das cidades, onde os índices de mortalidade eram menores que no campo.
D) provocaram um enfraquecimento geral da cristandade, sobretudo na península Ibérica, o que permitiu uma nova ofensiva islâmica na região.
E) fizeram diminuir as taxas e obrigações senhoriais que recaíam sobre os servos e levaram à adoção da escravidão de africanos nos senhorios feudais.



resposta:[B]


07 - (UNIMONTES MG/2010)
Entre os elementos que, de modo geral, concorreram para o processo de transição entre a Idade Média e a Idade Moderna, no Ocidente, é INCORRETO elencar:
A) o fortalecimento político do Estado, que tomou para si a responsabilidade de administrar as ditas questões nacionais.
B) a dinamização das práticas mercantis, com o impulso dos processos de uniformização de moedas, pesos e medidas.
C) a crescente valorização da vida terrena, que favoreceu a disseminação da ideia de liberdade, o racionalismo e o humanismo.
D) o fortalecimento dos senhores rurais, que ocasionou o crescimento das populações ligadas à exploração agrícola.



resposta:[D]

08 - (ESPM/2009)
Nos últimos anos do século XI tiveram início as Cruzadas. Expedições de cunho religioso-militar em que tomaram parte os cristãos constituíram um movimento de expansão dos cristãos europeus em direção ao Oriente. Ao mesmo tempo serviram como uma forma de aliviar as pressões demográficas sobre o sistema feudal.
(Leonel Itaussu. História Antiga e Medieval: da Comunidade Primitiva ao Estado Moderno)

Assinale a alternativa que apresente uma conseqüência das Cruzadas: a libertação definitiva de Jerusalém do domínio dos muçulmanos;
A) a libertação definitiva de Jerusalém do domínio dos muçulmanos;
B) a implantação do sistema feudal na Terra Santa;
C) a interrupção das relações comerciais entre o Ocidente e o Oriente;
D) a reabertura do Mediterrâneo ao comércio europeu;
E) a transformação do Mediterrâneo em um ―lago muçulmano‖, tendo em vista a vitória dos islamitas.

resposta:[D]


09 - (UFT TO/2010)
Finalmente, esse medo social que ardia permanentemente em fogo lento constituiu uma das mais poderosas forças motrizes do controle social que todos os membros da classe superior exerciam sobre si mesmos e sobre outros membros do círculo em que viviam. Expressava-se na intensa vigilância com que observavam e poliam tudo o que os distinguia das pessoas de categoria mais baixa; não apenas nos sinais externos de status , mas também na fala, nos gestos, nas distrações e maneiras. A pressão constantemente exercida a partir de baixo e o medo que induzia em cima foram, em uma palavra, algumas das mais fortes forças propulsoras – embora não as únicas – do refinamento especificamente civilizado que distinguiu os membros dessa classe superior das outras e, finalmente, para eles se tornou como que uma segunda natureza.
ELIAS, Norbet. O processo civilizador: formação do Estado e Civilização, vol. 2. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993, p.251

O texto acima faz referência às mudanças sociais em curso na passagem do período medieval para o moderno, envolvendo a nobreza, a burguesia e o campesinato. Com base nas considerações do autor é CORRETO afirmar que:
A) as guerras e o monopólio foram os únicos elementos que marcaram o domínio das classes superiores em relação às demais.
B) durante o período moderno, a ascensão econômica seria quesito único para garantir a aceitabilidade da burguesia pela nobreza.
C) a civilidade demonstrada nos gestos, na fala, nas maneiras e nas distrações era um indicador das diferenças entre as camadas superiores e as demais.
D) a vigilância de uma classe sobre as outras se restringia às ações comerciais e de segurança.
E) para a classe superior, no século XVI, não havia necessidade de controlar as falas e os gestos de seus membros. O que deveria ser controlado eram as falas e os gestos da burguesia e do campesinato.

resposta:[C]



10 - (UEM PR/2009)
O feudalismo passou por profundas transformações sociais, econômicas, culturais e políticas nos séculos XIV e XV. Sobre essas transformações, assinale o que for correto.
01. No processo de formação das monarquias nacionais, realeza e burguesia nascente unem-se para lutarem pelos seus interesses econômicos e políticos.
02. Uma das principais transformações dessa época foi a substituição dos exércitos nacionais pelos exércitos mercenários.
04. Com o objetivo de atender aos interesses dos grandes banqueiros e das grandes companhias de comércio, a Itália e a Alemanha foram os primeiros reinos europeus a realizarem a centralização política sob o comando de reis absolutistas.
08. A Guerra dos Cem Anos provocou profundas transformações na estrutura econômica da Inglaterra, o que favoreceu a reação e o fortalecimento da nobreza feudal nas decisões políticas do reino.
16. A cultura literária da Baixa Idade Média apresentou intensos traços humanistas, e um dos principais autores dessa época foi o escritor italiano Dante Alighieri, ao meditar sobre razão e fé, ciência e religião.

resposta:[01-16]


11 - (PUC RS/2009)
As transformações históricas que marcaram a Europa Ocidental ao longo dos séculos XI a XV se caracterizaram por um processo progressivo de
A) ruralização das atividades econômicas e culturais.
B) crescimento do poder político não eclesiástico.
C) decadência do grande comércio internacional.
D) expansão do poder senhorial sobre as cidades.
E) diminuição da importância econômica das guildas.

resposta:[B]

12 - (UNINOVE SP/2009)
Nas cidades medievais, as chamadas corporações de ofício dos artesãos controlavam a produção e impediam a concorrência desleal, fixando os preços, os salários e os padrões de qualidade. Dentre todas as funções dessas corporações, destacava-se a de
A) regulamentar as relações comerciais entre seus membros, além de incentivar o desenvolvimento de um mercado nacional.
B) reservar o mercado da cidade aos seus membros, além de torná-los mais fortes para negociar com os senhores feudais.
C) incentivar a produção agrícola e manufatureira, além de promover a ampliação do mercado para a produção artesanal.
D) financiar as máquinas de seus membros para aumentar a produção e ampliar o mercado dos artigos manufaturados.
E) garantir a autonomia administrativa da cidade para libertar os artesãos e comerciantes das obrigações feudais.


resposta:[B]


13 - (UNIFESP SP/2009)
Por trás do ressurgimento da indústria e do comércio, que se verificou entre o século XI e XIII, achava-se um fato de importância econômica mais fundamental: a imensa ampliação das terras aráveis por toda a Europa e a aplicação à terra de métodos mais adequados de cultivo, inclusive a aplicação sistemática de esterco urbano às plantações vizinhas.
(Lewis Mumford. A cidade na história. São Paulo: Martins Fontes, 1982.)
O texto trata da expansão agrícola na Europa ocidental e central entre os séculos XI e XIII. Dentre as razões desse aumento de produtividade, podemos citar

A) o crescimento populacional, com decorrente aumento do mercado consumidor de alimentos.
B) a oportunidade de fornecer alimentos para os participantes das cruzadas e para as áreas por eles conquistadas.
C) o fim das guerras e o estabelecimento de novos padrões de relacionamento entre servos e senhores de terras.
D) a formação de associações de profissionais, com decorrente aperfeiçoamento da mão-de-obra rural.
E) o aprimoramento das técnicas de cultivo e uma relação mais intensa entre cidade e campo.



resposta:[E]

14 - (UEPB/2009)
Sobre aspectos marcantes que influenciaram a passagem da Idade Média para a Idade Moderna, relacione a coluna da direita de acordo com a da esquerda.
(1) Sistema absolutista
(2) Reforma Protestante
(3) Liberalismo
(4) Cultura renascentista
( ) Renovava os interesses pelo desenvolvimento da vida urbana, em conformidade com as idéias políticas clássicas, em especial a lei romana e a democracia ateniense.
( ) Marcado pela absorção de unidades políticas menores pelas maiores, com a lei e a ordem sendo impostas em todo o território por um único soberano.
( ) Desafiava a jurisdição e a autoridade papal na Europa, e sancionava a autonomia da atividade secular em todos os domínios da vida material.
( ) Defendia os valores de liberdade de escolha, razão e tolerância perante
Assinale a alternativa correta:
A) 1, 3, 4, 2
B) 2, 3, 4, 1
C) 3, 1, 2, 4
D) 4, 2, 1, 3
E) 4, 1, 2, 3


resposta:[E]

15 - (UFC CE/2008)
Nos séculos XIV e XV, o Ocidente cristão passou por crises que levaram ao declínio do modelo social, econômico e político então vigente. Sobre esse período, responda as questões abaixo.
A) A que modelo se refere o enunciado acima?
B) Cite quatro características do modelo acima referido.

resposta:

a) O Feudalismo.

b) Nos séculos XIV e XV, a Europa medieval foi atingida por sérias crises políticas, econômicas e sociais, dentre as quais se destacam a peste negra, a crise agrícola e as revoltas camponesas, que findaram por levar a um lento declínio do feudalismo, que era o modelo social, político e econômico que organizava a sociedade da época, abrindo caminho para um novo modelo de sociedade que irá se organizar ao longo a Idade Moderna. O feudalismo, ou modelo feudal, tinha como características principais: a descentralização política, as relações de suserania e vassalagem, uma intensa hierarquização social, a servidão, a economia baseada na agricultura, o feudo como unidade básica da economia e a hegemonia do pensamento católico.


16 - (UFG GO/2012)
Leia o texto a seguir.
Embora a Igreja se satisfaça com um julgamento sacerdotal e não realize execuções sangrentas, ela deve recorrer às leis seculares e pedir ajuda aos príncipes para que o temor de um suplício temporal obrigue os homens a utilizar o remédio espiritual. Desse modo, como os heréticos fizeram grandes progressos, ensinando erros e se esforçando em perverter os simples, nós os excomungamos, bem como a seus protetores. Nós proibimos a todos de ter qualquer relação com eles.
CONCILIA. Apud FALBEL, Nachman. Heresias medievais. São Paulo: Perspectiva, 2007. p. 48. [Adaptado].
Este texto é um fragmento do cânone 27 do Terceiro Concílio de Latrão, ocorrido em 1179. Ele examina a situação dos movimentos heréticos da França.
Com base no exposto, no que diz respeito às heresias,
A) explique a estratégia política adotada pelo papado e expressa no texto;
B) identifique, no texto, dois procedimentos para seu combate.

resposta:
 A) Conforme o texto expressa, a estratégia adotada pelo papado, a partir do Terceiro Concílio de Latrão, esteve associada à aliança com o poder temporal. O papado recorria às leis seculares e aos príncipes para o combate às heresias.
B) Considerando o texto, os seguintes procedimentos podem ser elencados:
 o julgamento;
 a excomunhão dos hereges e dos seus protetores;
 o suplício;
 o isolamento social.

17 - (UFG GO/2012)
Leia o poema a seguir.
A morte para todos faz capa escura,
E faz da terra uma toalha;
Sem distinção, ela nos serve,
Põe os segredos a descoberto,
A morte libera o escravo,
A morte submete rei e papa
E paga a cada um seu salário,
E devolve ao pobre o que ele perde
E toma do rico o que ele abocanha.
FROIDMONT, Hélinand. Os versos da morte. São Paulo: Ateliê/Imaginário, 1996. p. 50. [Adaptado].


Este poema do século XII refere-se ao impacto das mudanças ocorridas no Ocidente Medieval, relacionadas à expansão urbana e comercial. Tendo em vista esse ambiente, ao transformar a morte em personagem, o poema caracteriza-a com uma atitude
A) moralizadora, que expressa a necessidade de correção dos costumes na vida terrena.
B) racionalista, que manifesta a retomada do pensamento aristotélico.
C) idealista, que constrói uma imagem sublime do homem como criatura de Deus.
D) heroica, que denota o desejo de incentivar a coragem nos homens.
E) indulgente, que promove a convivência tolerante entre cristãos e pagãos.

resposta:[A]

18 - (UFRN/2012)
Leia com atenção a definição abaixo:
Capitalismo: sistema econômico e social predominante na maioria dos países industrializados ou em industrialização. Neles, a economia baseia-se na separação entre trabalhadores juridicamente livres, que dispõem apenas da força de trabalho e a vendem em troca de salário, e capitalistas, os quais são proprietários dos meios de produção e contratam os trabalhadores para produzir mercadorias (bens dirigidos para o mercado) visando à obtenção de lucro.
SANDRONI, Paulo (Org. e sup.). Dicionário de economia. São Paulo: Círculo do Livro, 1992. p. 40.


Considerando as características apresentadas acima, o modelo socioeconômico do feudalismo europeu na Idade Média se diferencia do modelo capitalista, pois, entre outros elementos,
A) as demandas do comércio internacional por produtos agrícolas possibilitaram aos camponeses grandes lucros com a venda de excedentes da produção.
B) as revoltas camponesas do século XV aboliram as taxações feudais e favoreceram a adoção do sistema de colonato no regime feudal.
C) a maioria da mão de obra era empregada no campo, dedicando-se a uma produção de subsistência e ligando-se por laços servis à classe aristocrática.
D) a burguesia urbana enriquecida comprava títulos de nobreza e agravava a exploração da classe camponesa, submetida à servidão.

resposta:[C]

19 - (FUVEST SP/2012)
Nos tempos de São Luís [Luís IX], as hordas que surgiam do leste provocaram terror e angústia no mundo cristão. O medo do estrangeiro oprimia novamente as populações. No entanto, a Europa soubera digerir e integrar os saqueadores normandos. Essas invasões tinham tornado menos claras as fronteiras entre o mundo pagão e a cristandade e estimulado o crescimento econômico. A Europa, então terra juvenil, em plena expansão, estendeu-se aos quatro pontos cardeais, alimentando-se, com voracidade, das culturas
exteriores. Uma situação muito diferente da de hoje, em que o Velho Continente se entrincheira contra a miséria do mundo para preservar suas riquezas.
Georges Duby. Ano 1000 ano 2000. Na pista de nossos
medos. São Paulo: Unesp, 1998, p. 50-51. Adaptado.
A) Justifique a afirmação do autor de que ―essas invasões tinham (...) estimulado o crescimento econômico‖ da Europa cristã.
B) Cite um caso do atual ―entrincheiramento‖ europeu e explique, em que sentido, a Europa quer ―preservar suas riquezas‖.



resposta:

A) Ao longo da Baixa Idade Média, o crescimento demográfico europeu (causado por fatores como assimilação e aculturação de povos invasores) e a expansão territorial e comercial (associada ao contato com o Oriente e ao fenômeno cruzadista) têm como consequência a integração de regiões e culturas e o crescimento econômico da Europa cristã.
B) O atual ―entrincheiramento‖ europeu está associado ao avanço generalizado da xenofobia, ao fechamento de fronteiras e ao crescimento de partidos de extrema direita. Limitando a imigração e dificultando a livre manifestação cultural de povos não europeus, busca-se ―preservar riquezas‖, como postos de trabalho e a cultura tradicional do continente.


20 - (MACK SP/2012)
“Ao lado dos sinos dos conventos e das igrejas, destinados a soar e a impor as horas canônicas dos ofícios religiosos, aparecem os sinos laicos, sobretudo utilizados para a proclamação do tempo do trabalho (início, interrupções e fim). Nas cidades do nordeste da Europa, importante região têxtil, os novos sinos opõem à autoridade dos campanários da igreja a altivez das torres que os desafiam. Em face do tempo da Igreja, afirma-se o tempo do mercador, senhor do processo de trabalho”.
Dicionário temático do Ocidente Medieval, v.II, p.163

O texto aponta
A) os erros de certas análises historiográficas a respeito das concepções medievais de tempo e de trabalho. De forma precipitada, tais análises tendem a considerar a Igreja detentora absoluta de tais concepções, durante toda a Idade Média, demonstrando a falta de análises históricas empíricas.
B) que as estruturas e as mentalidades medievais não sofreram transformações substanciais. De fato, como apontado no texto, as ideias acerca do trabalho e do tempo continuaram as mesmas durante o período, demonstrando que mentalidades não se alteram rapidamente.
C) para as transformações processadas na Idade Média acerca do papel regulador da Igreja e do mercador. Aquela atenta à nova realidade, adaptando-se cada vez mais; este, senhor do comércio e das mercadorias, demonstra o seu poder ao impor o domínio sobre os sinos e os campanários medievais.
D) para as transformações processadas no final da Idade Média em relação ao tempo e ao trabalho. De fato, se antes tais conceitos eram regidos e dominados pela Igreja, a partir daquele momento as concepções valorativas acerca deles passam a predominar na transição feudo-capitalista, sobretudo nos ambientes laicos.
E) que as concepções de tempo e de trabalho se alteraram ao longo do tempo, exceto na Idade Média. De fato, analisado empiricamente, o período é rico em representações a respeito desses conceitos, sempre demonstrando a fragilidade eclesiástica em impor seus conceitos para a população em geral.


resposta: [D]


21 - (FGV/2012)
Leia o texto.
Entre 1315 e 1317 sucedem-se pesadas chuvas por todo o norte da Europa Ocidental, de forma tão intensa e ininterrupta que os campos são devastados e as colheitas perdidas, gerando uma situação de calamidade para o mundo camponês e que se soma aos vários anos bons que haviam levado o preço dos cereais a níveis bastante baixos. Sem colheitas e sem poupança, o mau tempo inaugura o grande movimento de crise do século XIV.
Francisco C. Teixeira da Silva, Sociedade feudal: (guerreiros, sacerdotes e trabalhadores)

Pode-se apontar, entre outros elementos, como parte da chamada Crise do Século XIV,
A) o progressivo processo de enfraquecimento das monarquias nacionais, em especial da França, diante da forte resistência liderada pela fração da nobreza voltada aos negócios financeiros.
B) a enorme disparidade entre a frágil produção de alimentos e o crescimento da população europeia, este resultado da ausência de conflitos bélicos e de revoltas populares importantes.
C) o efeito positivo das revoltas camponesas para a maioria dos trabalhadores dos campos e das cidades, especialmente na Europa Oriental, pois houve para estes consideráveis aumentos salariais e a concessão do direito à sindicalização.
D) o descompasso entre uma produção de mercadorias sempre menor do que a entrada de metais amoedáveis na Europa, provocando um inédito processo de hiperinflação, que paralisou a atividade produtiva no final do século.
E) a conversão da prestação do trabalho gratuito – a corveia - ao senhor, pelo pagamento em produto ou em dinheiro por parte do servo, que representou um dos passos em direção à dissolução dos laços servis.

resposta:[E]

22 - (FGV/2012)Leia o documento.
Deus criador do universo fixou duas grandes luminárias no firmamento do céu: a luminária maior para dirigir o dia e a luminária menor para dirigir a noite. Da mesma maneira, para o firmamento da Igreja universal, como se se tratasse do Céu, nomeou duas grandes dignidades; a maior para tomar a direção das almas, como se estas fossem dias, a menor para tomar a direção dos corpos, como se estes fossem as noites. Estas dignidades são a autoridade pontifícia e o poder real. Assim como a Lua deriva a sua luz da do Sol e na verdade é inferior ao Sol tanto em quantidade como em qualidade, em posição como em efeito, da mesma maneira o poder real deriva o esplendor da sua dignidade da autoridade pontifícia: e quanto mais intimamente se lhe unir, tanto maior será a luz com que é adornado; quanto mais prolongar [essa união], mais crescerá em esplendor.
(Apud Luiz Koshiba, História: origens, estruturas e processos)
No documento – escrito pelo papa Inocêncio III, em 1198 – é correto identificar
A) a recuperação de um preceito dos primeiros tempos do cristianismo, que defendia a pureza da alma e a pecaminosidade do corpo.
B) uma associação entre a estrutura moral dos monarcas e a aprovação dos seus governos pelas autoridades religiosas.
C) a condenação de todas as teorias que adotavam a cosmologia divina sobre a constituição do poder dos líderes da Igreja Católica.
D) uma determinada visão sobre as relações hierárquicas entre o poder espiritual e o poder temporal no mundo medieval europeu.
E) os resquícios de uma concepção da Antiguidade Oriental que reconhecia a supremacia das religiões monoteístas sobre o paganismo.



resposta:[D]

23 - (UEM PR/2012)
Sobre as cruzadas, assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
01. A primeira cruzada tinha como objetivo a conquista da Terra Santa, a ajuda aos bizantinos e a união da cristandade contra os muçulmanos.
02. As cruzadas foram uma demonstração de força e de prestígio da nobreza, em um mundo com forte sentimento religioso, mas já com a perda do poder papal após a Querela das Investiduras.
04. A marginalização dos cavaleiros, com a crise do feudalismo, foi um fator importante para as campanhas militares dos cruzados.
08. Os estados cristãos, que surgiram com as cruzadas na Terra Santa, abandonaram o feudalismo e reproduziram as instituições do Oriente.
16. O fracasso das cruzadas levou à estagnação do comércio entre o Oriente e o Ocidente, atividade reaberta apenas com as grandes navegações dos séculos XV e XVI.


resposta:[05]


24 - (UFES/2012)
A ocorrência de feiras livres é observada, em cidades brasileiras, desde a época colonial, quando se destacaram a Feira de Santana e as feiras de Sorocaba, Campina Grande, Caruaru, entre outras. Em cidades europeias, esses eventos econômicos e culturais se tornaram comuns, a partir da Idade Média, com o renascimento do comércio e da vida urbana, quando se notabilizaram as feiras de Provins e de Troyes, na região de Champagne; as feiras de Bruges e de Antuérpia, na região de Flandres; as feiras de Colônia, de Lubeck e de outras cidades que constituíram a Liga Hanseática.
Explique
A) dois fatores que contribuíram para o renascimento do comércio e da vida urbana, no contexto europeu;
B) o significado das corporações de ofícios, que se difundiram, a partir do século XII, nas cidades europeias.

resposta:

A) Apesar de não ser uma exigência a ser verificada na elaboração da resposta, subentende-se que as invasões ―bárbaras‖ ou germânicas marcaram um novo processo na formação social medieval, enquanto fenômenos que intensificaram a ruralização no contexto geográfico europeu, especialmente no Império Romano do Ocidente. Enquanto isso, as relações comerciais e a vida urbana mantiveram-se ativas no Império Romano do Oriente ou Império Bizantino, ou seja, na Ásia Menor e no Oriente Próximo ou Oriente Médio, bem como no mar Mediterrâneo, compreendendo aí as cidades litorâneas e a outrora denominada Magna Grécia.
Assim, independentemente dos pressupostos acima, serão consideradas, positivamente, as citações de fatores e respectivas descrições que expliquem o renascimento do comércio e da vida urbana, no contexto europeu, entre outras citações afins ou correlatas:
- as peregrinações de cristãos europeus aos Lugares Santos, propiciando o estabelecimento de relações comerciais necessárias ao suprimento das necessidades gerais daqueles peregrinos em romaria, implicando em relações de trocas de produtos e/ou de produtos por moedas;
- as Cruzadas ou Guerra Santa, enquanto iniciativa do cristianismo representado pelo Bispo de Roma, para libertação dos Lugares Santos, que se encontravam sob o controle principalmente dos povos identificados com a fé islâmica; trata-se de um embate iniciado no final do século XI e que se estendeu até o final do século XIII, contribuindo significativamente para o incremento do intercâmbio comercial e para a própria expansão europeia, inclusive no que concerne ao intercâmbio comercial entre as regiões europeias e o Oriente;
- a estabilização dos reinos medievais e relativa pacificação, propiciando o incremento demográfico e o esgotamento das terras férteis, contribuindo para a migração dos excedentes demográficos em busca de alternativas de sobrevivência nas vilas e nos burgos e disponibilizando mão-de-obra para as atividades artesanais, bem como para as relações de trocas ou intercâmbios comerciais;
- enriquecimento da nobreza feudal decorrente da Guerra Santa ou Cruzadas, inclusive por meio de saques, propiciando acumulação de riqueza que seria empregada na aquisição de produtos disponibilizados pelos intercâmbios comerciais, incluindo o gosto pelos artigos de luxo geralmente observados no Oriente; também se incluem o conhecimento de novos produtos, como as especiarias, que se incorporaram aos hábitos alimentares e à conservação de alimentos perecíveis;
- a própria tradição comercial das cidades da outrora denominada Magna Grécia, no mar Mediterrâneo, destacando-se as cidades da península italiana, que atuaram como entrepostos e pontos de origem das novas rotas comerciais que se consolidaram no interior da Europa, em cujos entroncamentos se originaram ou se desenvolveram burgos ou cidades como polos comerciais;
- quanto à Guerra Santa, deve-se considerar que foi por ocasião da Quarta Cruzada que os mercadores europeus das cidades do Mediterrâneo obtiveram o privilégio de fixação de entrepostos comerciais para distribuição de mercadorias provenientes do Oriente para as rotas comerciais terrestres e fluviais, que adentravam ao interior do continente europeu, em direção às feiras que se consolidavam.
B) Apesar de não ser uma exigência a ser verificada na elaboração da resposta, é bom lembrar que a associação formal de pessoas com interesses comuns já ocorria desde os tempos dos reis de Roma, Numa Pompílio (716-673 aC) e Sérvio Túlio (578-526 aC), quando se constituíram as clássicas associações ou confrarias, com caráter religioso, bem como as primeiras corporações de arquitetos e as associações de artes e ofício, congregando pessoas segundo habilidades práticas e profissionais mais comuns. Portanto, desde a Antiguidade Tardia (cerca de 300-600 d.C.), e durante a Alta Idade Média (476-1000), constituíram-se, na península italiana, corporações de artis et officium, congregando artigianos, bem como corporações de comerciantes.
Assim, independentemente dos pressupostos acima, serão consideradas, positivamente, nas respostas, explicações afins ou correlatas que tratem dos aspectos essenciais das corporações de ofícios, enquanto organização social urbana para fins de auxílio mútuo e proteção, no contexto do renascimento do comércio e da vida urbana em ambiente europeu, mormente a partir do século XII:
- as confrarias religiosas, comuns entre os cristãos, também influenciaram a formação de agremiações ou corporações de ofícios, bem como as guildas, nas cidades que renasciam, na Idade Média;
- as corporações de ofícios, bem como as guildas, tinham como significado ou importância a proteção mútua mediante constituição de um fundo, nos burgos, especialmente contra a predominância da aristocracia feudal, que se impunha nos feudos; enfim, as guildas ou corporações de ofícios tinham como objetivo principal a defesa dos interesses econômicos e profissionais dos trabalhadores que lhes eram associados;
- as corporações de ofícios, bem como as guildas, tinham como significado ou importância a associação de mestres, que eram donos de oficinas, bem como artesãos ou artistas e aprendizes das artes e ofícios; agregavam pessoas das relações familiares ou pessoas outras, desprovidas de status e condições econômicas, como aprendizes de uma profissão;
- as corporações de ofícios, bem como as guildas, tinham como significado ou importância a reprodução e consolidação do conhecimento, bem como a normatização e refinamento das competências e especializações profissionais; constituíram-se guildas de alfaiates, sapateiros, ferreiros, açougueiros, artesãos, comerciantes, artistas plásticos entre outros profissionais;
- as corporações de ofícios, bem como as guildas, tinham como significado ou importância a associação de professores e estudantes que, a partir do final do século XII e início do século XIII constituíram corporações que se denominaram Universitas Magistrorum, reunindo professores, e Universitas Scholarium, reunindo estudantes, com vistas aos estudos gerais e que propiciaram a gênese das Universidades;
- também serão considerados, positivamente, os comentários críticos ou ressalvas sobre as supostas diferenças entre corporações de ofícios, enquanto ambientes de aprendizagem de uma profissão, diferentemente das guildas, consideradas como corporações de comerciantes, segundo o princípio de que o mestre de uma corporação de ofício é também um comerciante de sua produção artesanal, da mesma forma que o comerciante de uma guilda vem a ser também o mestre de sua oficina de produção artesanal; portanto, as duas denominações são equivalentes, mesmo porque são muito mais diferenciações dialetais ou idiomáticas;
- também serão considerados, positivamente, as ressalvas sobre as articulações entre corporações de cidades de uma região, constituindo as LIGAS, mormente de comerciantes, com a finalidade de protegerem o comércio, ou seja, com a finalidade protecionista tanto das relações comerciais quanto do mercado.



25 - (UNICAMP SP/2012)
Godrici de Finchale foi um mercador que viveu no século XI, na Baixa Idade Média, no leste da atual Inglaterra.
"Quando o rapaz, depois de ter passado os anos da infância sossegadamente em casa, chegou à idade varonil, principiou a aprender com cuidado e persistência o que ensina a experiência do mundo. Para isso decidiu não seguir a vida de lavrador, mas estudar, aprender e exercer os rudimentos de concepções mais sutis. Por esta razão, aspirando à profissão de mercador, começou a seguir o modo de vida do vendedor ambulante, aprendendo primeiro como ganhar em pequenos negócios e coisas de preço insignificante; e, então, sendo ainda um jovem, o seu espírito ousou pouco a pouco comprar, vender e ganhar com coisas de maior preço.”
(Adaptado de Reginald of Durnham, "Libellus de Vita et Miraculis S. Godrici", em Fernando Espinosa, Antologia de textos históricos medievais. 3ª ed., Lisboa: Sá da Costa Editora, 1981, p. 198.)

A) Segundo o texto, o ofício de mercador exigia uma preparação diferente daquela do lavrador. Quais eram as diferenças entre esses dois ofícios?
B) Cite duas características do renascimento comercial e urbano ocorrido no final do período medieval.


resposta:

A) O texto cita um mercador do século XI para tratar das mudanças das concepções de trabalho advindas do renascimento comercial que então se iniciava.
B) O ofício de mercador exigia estudo e preparação, uma vez que era preciso adquirir conhecimentos específicos, necessários em transações com diferentes moedas, sistemas de pesos e medidas, demandas dos consumidores etc.
Já o ofício do lavrador demandava conhecimentos mais ligados a variações da natureza — tempo das chuvas, melhor época para o cultivo e para a colheita, sistema de repouso de terras, entre outros.
O renascimento comercial caracterizou-se pelo aumento das trocas de produtos agrícolas e artesanais, pelo surgimento de novas rotas comerciais (marítimas e terrestres), o desenvolvimento de feiras, as associações burguesas (como as Corporações de Ofício e as Hansas) e ainda o aumento do mercado de consumo — reflexo do trabalho assalariado.
Além disso, implicou transformações do espaço urbano, com o alargamento das estradas de acesso, grandes construções em estilo gótico (catedrais), aumento do número de casas e oficinas artesanais.



26 - (FUVEST SP/2011)
Se o Ocidente procurava, através de suas invasões sucessivas, conter o impulso do Islã, o resultado foi exatamente o inverso.
Amin Maalouf, As Cruzadas vistas pelos árabes. São Paulo: Brasiliense, p.241, 2007.

Um exemplo do ―resultado inverso‖ das Cruzadas foi a
A) difusão do islamismo no interior dos Reinos Francos e a rápida derrocada do Império fundado por Carlos Magno.
B) maior organização militar dos muçulmanos e seu avanço, nos séculos XV e XVI, sobre o Império Romano do Oriente.
C) imediata reação terrorista islâmica, que colocou em risco o Império britânico na Ásia.
D) resistência ininterrupta que os cruzados enfrentaram nos territórios que passaram a controlar no Irã e Iraque.
E) forte influência árabe que o Ocidente sofreu desde então, expressa na gastronomia, na joalheria e no vestuário.



resposta:[B]



27 - (UFG GO/2011)
A partir do século XII, as corporações de ofício passaram a expressar uma cultura do trabalho própria ao mundo medieval, na medida em que
A) propiciavam a troca de conhecimento entre os mestres das corporações.
B) ampliavam o processo de divisão do trabalho na produção dos artefatos.
C) promoviam uma rede de proteção entre os membros das corporações.
D) redefiniam a noção de preço justo ao incorporar os juros no valor da mercadoria.
E) estabeleciam uma nova temporalidade, associada ao processo de circulação monetária.


resposta:[C]



28 - (FUVEST SP/2011)
Se utilizássemos, numa conversa com homens medievais, a expressão “Idade Média”, eles não teriam ideia do que isso poderia significar. Eles, como todos os homens de todos os períodos históricos, se viam vivendo na época contemporânea. De fato, falarmos em Idade Antiga ou Média representa uma rotulação posterior, uma satisfação da necessidade de se dar nome aos momentos passados. No caso do que chamamos de Idade Média, foi o século XVI que elaborou tal conceito. Ou melhor, tal preconceito, pois o termo expressava um desprezo indisfarçado pelos séculos localizados entre a Antiguidade Clássica e o próprio século XVI.
Hilário Franco Júnior, A Idade Média. Nascimento do Ocidente. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, s.d. [1986]. p.17. Adaptado.
A partir desse trecho, responda:
A) Em que termos a expressão ―Idade Média‖ pode carregar consigo um valor depreciativo?
B) Como o período comumente abarcado pela expressão ―Idade Média‖ poderia ser analisado de outra maneira, isto é, sem um julgamento de valor?



resposta:

A) Como observa Hilário Franco Jr. no excerto apresentado, a expressão ―Idade Média‖ foi cunhada no século XVI, em meio à movimentação renascentista europeia.
Na verdade, ela remeteria à ideia de um período histórico intermediário, sem grande importância e até mesmo marcado por uma certa mediocridade. Assim, sua escolha para designar o período localizado ―entre a Antiguidade Clássica e o próprio século XVI‖ revela a visão dos intelectuais humanistas da época, para os quais era um ―período de trevas‖.
B) Contrariando o desprezo dos pensadores renascentistas, é possível julgar o período chamado de ―Idade Média‖ levando em consideração seus aspectos positivos. Sob essa interpretação, os séculos entre a Antiguidade e o XVI estariam marcados também pela continuidade da cultura e da tradição clássicas, não confi gurando, desse modo, ruptura ou intervalo.


29 - (ESPM/2011)
A antiga Flandres situava-se no nordeste da França, ocupando também uma parte da Bélgica e constituía-se num ponto central e de fácil acesso no Ocidente da Europa.
(Raymundo Campos. História Geral)
Sobre a importância da Flandres na Baixa Idade Média é correto assinalar que:
A) era uma região sob domínio dos muçulmanos, desde quando estes invadiram a Europa no século VIII;
B) era uma região banhada pelo Mar Báltico e importante centro de produtos como mel, peixe salgado, cereais, madeiras;
C) foi o berço de uma gigantesca associação de comerciantes denominada Liga Hanseática, conhecida ainda como Hansa Teotônica;
D) era uma região em que se realizavam feiras, que após o século XIII tornaram-se as mais procuradas do continente, famosas por seus tecidos de lã de carneiro;
E) era uma região cortada pelos varegues, comerciantes nórdicos, conhecidos pelo controle sobre o comércio de produtos orientais.




resposta:[D]

30 - (PUC SP/2011)
“A Idade Média não é o período dourado que certos românticos quiseram imaginar, mas também não é, apesar das fraquezas e aspectos dos quais não gostamos, uma época obscurantista e triste, imagem que os humanistas e os iluministas quiseram propagar.”
Jacques Le Goff. A Idade Média explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2007, p. 18
A ambígua imagem da Idade Média que hoje temos deriva, em parte, de representações
A) negativas do período, que destacam a opressão a que os camponeses eram submetidos, a intolerância da Igreja e as repetidas temporadas de fome.
B) positivas do período, que destacam o papel relevante que as mulheres tinham na vida social, o avanço tecnológico e o desenvolvimento nas artes visuais.
C) negativas do período, que destacam a atuação do Tribunal da Inquisição, a ausência de mobilizações sociais e o direito divino que justificava o absolutismo.
D) positivas do período, que destacam o resgate de valores religiosos oriundos da Antiguidade Clássica, a arquitetura românica e gótica e as festas populares.
E) negativas do período, que destacam a ausência de liberdades políticas, a persistência do politeísmo e de práticas de bruxaria em toda a Europa Ocidental.


resposta:[A]

Nenhum comentário:

Postar um comentário