sexta-feira, 11 de maio de 2012

Saiba mais sobre a expansão dos EUA no século XIX


 Saiba mais sobre a expansão dos EUA no século XIX


Teste seus conhecimentos sobre os Estados Unidos no século XIX

Vá para o oeste, jovem, e cresça com o país.

Essa expressão, criada por Horace Greeley, em 1851, simboliza a expansão territorial realizada pelos Estados Unidos ao longo do século XIX.

1. (UERJ – 2001) Relacione a marcha para o oeste” com a doutrina do Destino Manifesto”.

resposta: Depois de conquistar a independência em 1776, a nova nação inicou sua expansão territorial tendo como justificativa a ideologia do Destino Manifesto, ou seja, a certeza de que o povo norte-americano fora predestinado por Deus a ocupar e colonizar as terras que se estendiam até o Pacífico; havia sido escolhido por Deus para levar seus valores a territórios sob o poder de outros Estados ou dos “peles vermelhas”. A maior parte dos primeiros habitantes dos EUA eram protestantes que viam o lucro e as riquezas como consequência de uma escolha divina e do trabalho, e não como um pecado. Essa ética protestante foi um importante fator cultural que justificou a expansão territorial norte-americana sendo considerada natural e benéfica, e não uma agressão aos povos que já habitavam o território. Na realidade, a doutrina do Destino Manifesto justificou, no inicio, a conquista de terras até o limite natural imposto pelo Rio Mississipi (área original das Treze Colônias inglesas); posteriormente, foram conquistados novos territórios que se estendem até o oceano Pacífico. A incorporação de novos territórios fez parte do periodo do imperialismo interno, que se iniciou na independência que a nação americana obteve em relação à Inglaterra em 1776, e continuou durante o século XIX, no período conhecido como Marcha para o Oeste. A fome de terras dos imigrantes e as agressões cometidas em nome do Destino Manifesto dos EUA contribuíram para empurrar suas fronteiras desde o rio Mississípi até a costa oeste.



2. (UFRRJ) 1899 Nova lorque

MARK TWAIN PROPÕE MUDAR A BANDEIRA

(...) Em plena euforia imperial, os Estados Unidos celebram a conquista das ilhas do Havaí, Samoa e as Filipinas, Cuba, Porto Rico e uma ilhota que se chama, eloquentemente, dos Ladrões. O oceano Pacífico e o mar das Antilhas viraram lagos norte-americanos, e está nascendo a United Fruit Company; mas o escritor Mark Twain, velho estraga-festas, propõe que se mude a bandeira nacional: que sejam negras, diz, as listas brancas, e que umas caveiras com tíbias cruzadas substituam as estrelas.(...)"




(GALEANO, Eduardo. "As Caras e as Máscaras". Nova Fronteira, Rio, 1985. p.341.)

Há exatos cem anos, os Estados Unidos da América estavam inseridos em um processo de dominação territorial e econômica que afetou, igualmente, as grandes potências européias e o Japão.


a) Nomeie esse processo e cite uma de suas principais características econômicas.


resposta: Imperialismo, cuja principal característica econômica é utilizar os territórios dominados como mercado consumidor cativo dos interesses do país dominante.

b) Explique as razões de Mark Twain para sua proposta.

resposta: Identificava os efeitos nefastos e desumanos do expansionismo norte-americano para as nações dominadas.


3. (UFMG) Leia este trecho de documento: Odeio-a porque impede a nossa República de influenciar o mundo pelo exemplo da liberdade; oferece possibilidade aos inimigos das instituições livres de taxar-nos, com razão, de hipocrisia e faz com que os verdadeiros amigos da liberdade nos olhem com desconfiança. Mas, sobretudo, porque obriga tantos entre nós, realmente bons, a uma guerra aberta contra os princípios da liberdade civil. Discurso de Abraham Lincoln, em 1859. Nesse trecho de discurso, Abraham Lincoln, que seria eleito Presidente dos Estados Unidos no ano seguinte, faz referência

a) à política de segregação racial existente nos estados do sul dos Estados Unidos, que gerou a formação de organismos voltados ao extermínio dos negros, à destruição de suas propriedades e a atentados constantes contra suas comunidades.

b) à posição dos estados do sul de defesa intransigente de tarifas protecionistas, o que levava os Estados Unidos a comprometer a crença na liberdade de mercado, numa conjuntura de predomínio do capitalismo liberal.

c) à questão da escravidão, que levou a uma guerra civil, nos Estados Unidos, entre o Norte, industrializado, e o Sul, que lutava para preservar a mão-de-obra escrava nas suas plantações de produtos para a exportação.

d) à defesa, pelos imigrantes, do extermínio dos índios nas terras conquistadas a oeste, especialmente após a edição do "Homestead Act", visando ao desenvolvimento da agricultura e da pecuária naquelas áreas.

resposta:[C]

4. (FUVEST) Entre as mudanças ocorridas nos Estados Unidos, após a Guerra de Secessão (1861-1865), destacam-se:

a) a garantia de direitos civis e políticos aos negros - incluindo o direito ao sufrágio universal - e o reconhecimento da cidadania dos imigrantes recém-chegados.

b) a consolidação da unidade nacional, a chegada de novas levas de imigrantes, o aumento do mercado interno e um grande desenvolvimento industrial.
c) graves desentendimentos em relação às fronteiras com o México, levando a uma nova guerra, na qual os Estados Unidos ganharam metade do território mexicano.

d) o incentivo à vinda de imigrantes e a definitiva ocupação do oeste, cujas fronteiras, em 1865, ainda estavam nas Montanhas Rochosas.

e) o empobrecimento e a humilhação do Sul, que, derrotado pelo Norte, foi alijado das esferas do poder federal e teve sua reconstrução impedida.


resposta:[B]


5. (Mackenzie) Dentre as razões que determinaram a elaboração do Dispositivo separatista da Carolina do Sul, que deu origem à Guerra Civil Americana, destacamos:


a) as leis intoleráveis e a Independência dos Estados Unidos da América.

b) a adoção de tarifas protecionistas e a eleição de Abraham Lincoln.

c) a ocupação das terras do Oeste e a Guerra dos Sete Anos.

d) os interesses dos Estados industriais do sul, contrários aos latifundiários do norte.

e) a eleição do abolicionista Jefferson Davis, o fim da escravidão e a Guerra Civil.


resposta:[B]


6. (UFSM) :"Tinha de haver uma luta (...). Os estados do sul e os do norte trabalhavam de maneira diferente, pensavam diferente, viviam diferente. No norte a lavoura em pequena escala, o transporte por navios, as manufatura que cresciam, tudo produzido pelo trabalho branco; no sul havia a monocultura com o trabalho negro. (...) Essa luta se arrastou por 60 anos, e finalmente eclodiu com a guerra civil."
(HUBERMANN, Leo. "História da Riqueza dos Estados Unidos." Ed. São Paulo: 1983.)

Esse texto remete à Guerra de Secessão Norte-Americana (1861-1865) que teve como conseqüência(s):

I. a marginalização do negro que, após a escravidão, passou a sofrer uma série de pressões, inclusive de organizações, como Ku-Klux-Klan.

II. a aprovação de tarifas protecionistas que levaram ao avanço do processo capitalista norte-americano.

III. a vitória da industrialização, a desorganização econômica do sul escravocrata, o rompimento do isolacionismo e o início da política imperialista.

Está(ão) correta(s)

a) apenas I.

b) apenas II.

c) apenas III.

d) apenas II e III.

e) I, II e III.


resposta:[E]


7. (UFES) Mil pormenores da vida cotidiana mostrariam facilmente como as vantagens políticas concedidas aos negros se revelaram vãs. Os direitos políticos foram contornados e o negro mantido em seu "lugar inferior". Tanto assim que ele não deixou o Sul...
(BRAUDEL, Fernand. "Gramática das civilizações". São Paulo: Martins Fontes, 1989, p. 431.)


Esse quadro delineia-se nos Estados Unidos da América após a Guerra da Secessão (1861-1865), que colocou em conflito os estados americanos do Sul e do Norte. Explique a questão da escravidão como uma das causas do conflito.

resposta: A Guerra de Secessão consistiu na luta entre 11 Estados Confederados do Sul latifundiário, aristocrata e defensor da escravidão, contra os Estados do Norte industrializado, onde a escravidão tinha um peso econômico bem menor do que no Sul. Estas diferenças estão entre as principais causas da guerra e têm origem ainda no período colonial: enquanto o desenvolvimento do Norte estava ligado à necessidade de crescimento do mercado interno e do estabelecimento de barreiras protecionistas, o crescimento Sulista era baseado precisamente no oposto, ou seja: o liberalismo econômico que abria todo o Mundo às agro-exportações e com mão-de-obra escrava (de origem africana) como base da produção.

7. (Uece) "O que opõe o Norte industrial ao Sul agrícola é uma divergência mais de ordem econômica: o primeiro é protecionista, o segundo quer a liberdade de comércio. Não é, portanto, a questão do escravismo que pode explicar a origem das hostilidades e de um conflito que causará a morte de mais de 600 mil americanos".
Fonte: KERSAUDY, François. Estados Unidos: o nascimento de uma nação. Trad. Ana Montoia. In: "Revista História Viva". São Paulo: Duetto, nov. 2003, p. 28. No. 1.

De acordo com o texto, podemos reconhecer como fator que desencadeou a Guerra de Secessão americana:
a) a pretensão dos nortistas de impedir a expansão do escravismo nos territórios do Oeste, ainda não constituídos em estados.
b) o radicalismo anti-escravista de Abraão Lincoln, eleito presidente da República, ameaçava os direitos dos proprietários de escravos.
c) a ação da sociedade secreta Ku Klux Klan, que acabou com a segregação racial ao conceder o igual direito de voto aos negros.
d) a manutenção do escravismo nos Estados do Sul propiciava a industrialização nos Estados do Norte, devido à mão-de-obra barata.


resposta:[A]

8. (Ufv) "Os Estados Confederados podem adquirir novo território. [...] Em todos esses territórios, a instituição da escravidão negra, tal como ora existe nos Estados Confederados, será reconhecida e protegida pelo Congresso e pelo governo territorial; e os habitantes dos vários Estados Confederados e Territórios terão o direito de levar para esse território quaisquer escravos legalmente possuídos por eles em quaisquer Estados ou Territórios dos Estados Confederados [...]."
("Constituição dos Estados Confederados da América", Art. IV, seção 3, 1861.)

O texto acima reflete um dos pontos centrais de discórdia que geraram a Guerra Civil Americana. Esta guerra civil foi o resultado:
a) da ação imperialista americana que, a partir da Doutrina Monroe, passou a intervir na América Latina.
b) da luta entre os colonos e a Metrópole Inglesa, o que redundaria na independência dos Estados Unidos.
c) da Grande Depressão, intensificando a pobreza e o desemprego nas grandes cidades americanas.
d) da luta pelos direitos civis, particularmente dos negros, forçando uma reinterpretação da Constituição Americana.
e) da oposição dos interesses dos Estados do Sul e do Norte em torno da questão da escravidão e da expansão para o Oeste.


resposta:[E]

9. (Uem) Sobre a história dos Estados Unidos da América, ao longo do século XIX, assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
01) Em 1823, foi divulgada a Doutrina Monroe, que estabelecia o direito dos Estados Unidos de intervirem nos assuntos internos dos outros países. A sedimentação dessa forma de pensamento deu o substrato ideológico que legitimou a invasão norteamericana ao Iraque .
02) A partir do início do século XIX, os Estados Unidos iniciaram a Marcha para o Oeste, comprando ou anexando territórios e ampliando sua extensão geográfica. A partir da costa do Atlântico, a expansão territorial atingiu a costa do Pacífico, dando dimensões continentais ao novo país.
04) A expansão territorial norte-americana levou a um enfrentamento com as tribos indígenas, que resultou na derrota das populações nativas e na ocupação das terras indígenas pelos colonos.
08) A Guerra de Secessão, conhecida como a Guerra Civil norte-americana, foi motivada exclusivamente pela questão da liberdade dos escravos. Enquanto o Norte, agrícola, era favorável ao fim da escravidão, o Sul, mais industrializado, lutava pela manutenção dessa relação de trabalho.
16) Uma significativa parte do atual território dos EUA foi conquistada como decorrência da Guerra contra o México. Pelo tratado firmado em 1848, foram anexados aos EUA Texas, Califórnia, Novo México, Utah, Nevada e Arizona.


resposta:22

10. (Ufsm) A Guerra de Secessão nos EUA, retratada também no filme "E o vento levou", ocasionou
a) a independência das Treze Colônias da Inglaterra e a formação dos Estados Unidos da América.
b) o retorno da unidade política norte-americana, com o domínio da elite do norte sobre a do sul.
c) a iniciativa de expansão ao oeste e ao leste, conquistando novas terras e anexando áreas da América do Sul com o fim de torná-las colônias.
d) um levante social na região do México, levando Morelos e Hidalgo ao poder por mais de 10 anos.
e) a abolição da escravatura nos EUA e a retomada do poder pelos unitaristas do sul.


resposta:[B]

11. (Pucrs) Para responder à questão, considere o texto abaixo, uma análise feita por Euclides da Cunha do livro O ideal americano, de Theodore Roosevelt, presidente dos Estados Unidos no começo do século XX. "O ideal americano não é um livro para os Estados Unidos, é um livro para o Brasil. Os nossos homens públicos devem (...) decorar-lhe as linhas mais incisivas, como os arquitetos decoram as fórmulas empíricas da resistência dos materiais. É um compêndio de virilidade social e de honra política incomparável. Traçou-o (...) um fanático da força, um tenaz propagandista do valor sobre todos os aspectos (...). Daí a sua utilidade, não nos iludamos. Na pressão atual da vida contemporânea, a expansão irresistível das nacionalidades deriva-se, como a de todas as forças naturais, segundo as linhas de menor resistência. A absorção de Marrocos ou do Egito, ou de qualquer uma outra raça incompetente, é (...) um fenômeno natural, e, diante dele, (...) o falar-se no Direito é extravagância idêntica a quem procura discutir (...) sobre a moralidade de um terremoto.(...) Aprendamos, enquanto é tempo, esta admirável lição de mestre."
CUNHA, Euclydes da. "Contrastes e confrontos". Rio de Janeiro: Record, 1975, pp. 170-171.

Considerando-se o contexto intelectual e político do início do século XX no Brasil, conclui-se que Euclides da Cunha, a partir de uma perspectiva
a) idealista, pregava a necessidade de o Brasil, por meio de sua elite política, posicionar-se contra a dominação de países pobres, a exemplo dos Estados Unidos de Roosevelt.
b) positivista, defendia o uso do Direito Internacional como única forma de defesa dos países pobres contra a agressividade natural dos mais ricos, expressa no texto de Roosevelt.
c) racista, exaltava a superioridade dos Estados Unidos de Roosevelt, defendendo que o Direito Internacional legitimasse juridicamante a intervenção em países de raças supostamente inferiores, como o Brasil, o Egito e o Marrocos.
d) cientificista, alertava a elite política brasileira, a partir do texto de Roosevelt, sobre a necessidade de o país construir meios de resistência eficazes frente à realidade do imperialismo.
e) romântica, elogiava o texto de Roosevelt como um exemplo de defesa dos ideais de honra e virilidade no mundo contemporâneo, então esquecidos pelas elites políticas brasileiras.


resposta:[D]

12. (Pucrs) Responder à questão com base nas afirmativas abaixo, sobre a expansão territorial dos Estados Unidos no século XIX.
I. A expansão territorial para o Oeste foi o principal fator de isolamento político do Sul escravista, pois todos os novos Estados proibiam a escravidão, seguindo o texto original da Constituição de 1787.
II. Sob o impulso inicial da iniciativa privada, a expansão para o Oeste efetivou-se com diferentes modalidades de participação do Estado, como a conquista militar e a compra de territórios.
III. A chamada "corrida do ouro" foi o principal fator da ocupação inicial do extremo Oeste, na primeira metade do século e, na segunda metade, a expansão ferroviária foi fundamental para a ocupação efetiva do Centro-Oeste.
IV. O processo político de incorporação de um novo Estado à União contrariava o espírito federativo, pois esses novos Estados tinham suas constituições outorgadas pelo Congresso, com aprovação da Suprema Corte e do Presidente da República.

Pela análise das afirmativas, conclui-se que somente estão corretas
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) II e IV.
e) III e IV.


resposta:[C]

13. (Uff) Imbuídos da moral protestante e movidos pelo sonho de uma nova vida proveniente das transformações industriais européias, os pioneiros da marcha para o oeste iniciaram a grande obra de povoamento do território norte-americano e de reconhecimento de suas riquezas. Considerando-se o aspecto histórico do alargamento de fronteiras nos Estados Unidos, pode-se dizer que a marcha para o oeste:

a) foi o marco inicial da expansão da economia norte-americana, uma vez que os pioneiros eram organizados pelo Estado e deveriam auxiliá-lo na eliminação dos índios;
b) significou a abertura de um conflito entre os vários tipos de pioneiros e teve como conseqüências a Guerra de Secessão e a autonomia dos Estados da federação norte-americana;
c) teve como repercussões, apenas, a matança dos índios e a fabricação de heróis dos filmes de far-west;
d) revelou um território rico que teve condições de ser ocupado graças à aliança entre os pioneiros e os índios;
e) constituiu um dos marcos da identidade homem-terra na construção da nação norte-americana, possibilitando o alargamento do território.


resposta:[E]

14. (Ufg) A Conquista do Oeste, que marcou a história dos Estados Unidos no século XIX, tema dileto do cinema hollywoodiano, tem para os norte-americanos o peso de uma epopéia e constitui elemento da imagem dos EUA no mundo. A Marcha para o Oeste implicou um movimento de expansão que
( ) protegeu as populações indígenas, pois estas eram consideradas pelos pioneiros e pela Federação as verdadeiras representantes da origem étnica norte-americana.
( ) patrocinou anexações territoriais resolvidas diplomaticamente como bem exemplificam as negociações entre os EUA e o México.
( ) foi alimentado pela imigração, pela escassez de terras no leste e pela demanda por produtos agrícolas e metais preciosos.
( ) formulou uma imagem negativa dos mexicanos, vistos como portadores de uma cultura avessa ao trabalho e à ordem, o que representava um contraponto ao modelo de identidade norte-americana.


resposta:F F V V

15. (Unirio) "... era como se os Estados Unidos tivessem como objetivo uma missão civilizatória junto aos povos da América Latina."
(Hervert Croly, "The Promisse of American Life")

A consolidação do capitalismo nos Estados Unidos da América, ao longo do século XIX, identificou-se em seu processo de expansão territorial, que se relaciona corretamente com o(a):
a) Destino Manifesto, que fundamentava a distinção política e econômica entre os estados sulistas escravocratas e os nortistas industriais.
b) fim da guerra hispano-americana que acarretou a incorporação da Flórida, de Cuba e da zona do Canal do Panamá.
c) vitória no conflito contra o México, que resultou na anexação dos territórios do Texas, Novo México e Califórnia.
d) Marcha para o Pacífico, que estendeu o território americano até a costa oeste, com a invasão e a ocupação do Alasca e dos territórios do noroeste do Canadá.
e) Doutrina Monroe, que ratificou a compra dos territórios franceses e ingleses na América, tais como a Luisiana e o Oregon.


resposta:[C]

16. (Uerj) Precisamos manter para sempre o princípio de que só o povo deste continente tem o direito de decidir o próprio destino. Se, porventura, uma parte desse povo, constituindo um estado independente, pretendesse unir-se à nossa Confederação, esta seria uma questão que só a ele e a nós caberia determinar, sem qualquer interferência estrangeira.
(Primeira mensagem anual do presidente Polk ao Congresso dos Estados Unidos.) In: SYRETT, H.C., org. Documentos Históricos dos Estados Unidos, Cultrix, s/d.

O discurso acima, de 2 de dezembro de 1845, reafirmava a crença do presidente Polk na expansão do território americano. O conjunto de idéias que melhor explicita essa crença é:
a) o New Deal
b) a Doutrina Truman
c) o Destino Manifesto
d) a Política de Boa Vizinhança


resposta:[C]

18. (Mackenzie) A Doutrina Monroe e a política do "Big Stick" tinham por objetivo:
a) montar uma infra-estrutura econômica nos países latino-americanos, assegurando o desenvolvimento industrial e autodeterminação dos povos.
b) implementar o papel dos E.U.A. como nação guardiã da América, com o direito de intervir no continente americano através do disfarce "missão civilizadora".
c) criar a Liga das Nações para mediar conflitos e evitar futuros choques entre os países da América, assegurando à O.E.A. o direito de intervir militarmente.
d) barrar a penetração das idéias comunistas na América, reforçando a ligação dessas regiões com o capitalismo através da Aliança para o Progresso.
e) consolidar a "Doutrina de Segurança Nacional" e apoiar militares nos governos dos países latino-americanos nas décadas de 1960 e 70.


resposta:[B]

19. (FGV) "Fale macio e use um porrete", dizia o presidente norte-americano Theodore Roosevelt para justificar a política externa dos EUA. A respeito da política conhecida como "Big Stick", podemos afirmar:
a) Significou uma medida pragmática dos norte-americanos logo após a independência, buscando superar o isolamento diplomático, ao mesmo tempo que combatia o exército britânico.
b) Era o lema dos Estados do Norte durante a Guerra de Secessão, durante a qual os escravos foram libertados, como forma de enfraquecer as forças sulistas.
c) Diz respeito à política norte-americana com relação à América Latina durante a Guerra Fria, quando deu apoio político e militar a diversas ditaduras militares, visando impedir o estabelecimento de regimes comunistas semelhantes ao de Cuba.
d) Foi uma continuidade do expansionismo interno, marcado pela Marcha para o Oeste e pela Guerra de Secessão, que implicou nas seguidas intervenções militares norte-americanas que transformaram o Caribe em sua área de influência.
e) Foi a orientação dada pelo serviço secreto norte-americano a seus agentes infiltrados na URSS e nos países da chamada Cortina de Ferro no Leste europeu.


resposta:[D]

20. (Ufsm)
As imagens ilustram dois momentos da política externa dos EUA: em 1903, no governo de Theodore Roosevelt, os EUA apoiaram o Panamá no rompimento com a Colômbia; em 2003, George W. Bush decidiu invadir e ocupar o Iraque. Considerando a política externa norte-americana, analise as seguintes afirmações:
I. No governo de Theodore Roosevelt (1901-1909), os EUA assumem o papel de potência policial ocupando vários Estados-nações do Caribe e da América Central.
II. O isolacionismo e o respeito pela autodeterminação dos povos marcam a política externa dos EUA desde o início do século XX.
III. A política do big stick, proposta por Theodore Roosevelt, baseava-se na idéia de que os EUA estavam autorizados a impor seu estilo de vida aos países latino-americanos. IV. A nova fase da política externa dos EUA, inaugurada por George W. Bush, baseia-se no complexo industrial militar e no fundamentalismo cristão.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas I, III e IV.
d) apenas II, III e IV.
e) apenas IV.

resposta:[C]

21. (Pucmg) A expansão norte-americana não é uma questão que perturba somente o nosso tempo. Desde o final do século XIX que a política externa ianque vem dando sinal de ser insaciável na obtenção de vantagens comerciais e políticas sobre o resto do mundo. Tendo em vista essa vocação, é CORRETO afirmar:
a) A doutrina Monroe foi a principal peça política engendrada pelo governo americano para justificar seu expansionismo a partir da primeira metade do século XIX.
b) A política do Big Stick, do Governo Franklin Delano Roosevelt, foi criada para fazer oposição ao modelo protagonizado pela doutrina Monroe.
c) Os americanos nunca propuseram oficialmente um imperialismo nas Américas. Somente tentaram conter os avanços do capitalismo europeu nesse continente.
d) Semelhante na postura, mas diferente na ação, a invasão do Iraque hoje é um desdobramento da doutrina Monroe.

 resposta:[A]
 
22. (PASUSP) O Canal do Panamá foi construído em 1914 pelos Estados Unidos, que controlaram sua administração por quase um século e só devolveram a soberania da área aos panamenhos em 1999. A atual ampliação do canal visa permitir o tráfego de navios de maior porte, atualmente utilizados com mais freqüência, em decorrência do aumento do volume do comércio internacional nas últimas décadas. Mais de 100 rotas de transporte marítimo passam pelo Canal do Panamá, sendo uma das principais aquela que liga o Extremo Oriente à costa leste dos Estados Unidos.
 
Com base em seus conhecimentos, no mapa e no texto, indique a alternativa correta:
a) O Canal do Panamá reduziu sensivelmente as distâncias a serem percorridas nas rotas marítimas entre as costas leste e oeste dos EUA.
b) As rotas mais beneficiadas com a construção do Canal do Panamá são as que ligam a Europa e a África Ocidental à costa leste dos EUA.
c) A ampliação do Canal do Panamá não deve apresentar um aumento significativo no tráfego do canal, já que os navios de maior porte não são utilizados intensamente nos dias de hoje.
d) O Canal do Panamá apresenta importância estratégica e militar para os EUA, apesar da pouca relevância econômica referente às rotas comerciais marítimas.
e) O Canal do Panamá não teve um papel significativo na circulação marítima internacional nem na estratégia de defesa militar dos EUA.

resposta:[A]

 23.(Uerj-2010)


 

A caricatura acima, de 1904, e o cartaz publicitário da Coca-Cola, de 1944, apontam para contextos diferenciados das relações do governo dos EUA com países da América Latina.
Cite uma ação da política externa norte-americana para a América Latina decorrente da política do Big Stick - “Grande Porrete”. Em seguida, nomeie e explique a nova orientação diplomática dos EUA para essa região durante a Segunda Guerra Mundial.

Resposta:
Uma das ações:
• interferência norte-americana na independência de Cuba e sua posterior intervenção políticae econômica nesse país, por meio da Emenda Platt
• apoio norte-americano à independência do Panamá, viabilizando a conclusão da construção do canal e sua cessão aos EUA, bem como sua interferência comercial e financeira na região Política da Boa Vizinhança. Essa política baseou-se nos princípios da amizade, da cooperação e da reciprocidade como garantia da abertura de mercados e da diminuição da influência dos países do Eixo no continente americano.
A expressão Big Stick (Grande Porrete) resultou de uma frase de efeito dita pelo presidente estadunidense Theodore Roosevelt para descrever o estilo de diplomacia norte-americana para a América Latina e é considerada como corolário da Doutrina Monroe. Ambas caracterizam a postura imperialista dos Estados Unindo no continente.
A imposição da Emenda Platt, um dispositivo legal inserido na Constituição de Cuba, que autorizava os Estados Unidos da América a intervir naquele país a qualquer momento em que interesses recíprocos de ambos os países fossem ameaçados, bem como as intervenções norte-americanas na Nicarágua visando a construção de um canal interoceânico, são exemplos da execução do Big Stick .
A partir do governo Franklin Roosevelt, teve início a Política da Boa Vizinhança (ou Good Neighbor Policy) que consistia em investimentos e venda de tecnologia norte-americana para os países latino-americanos, mas em troca, estes deviam dar apoio a política norte americana.
Essa política promoveu o estreitamento das relações culturais entre os Estados Unidos América Latina.






4 comentários:

  1. muito bom! espero que me ajude na prova de hoje!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Elisia, espero que o blog lhe tenha sido útil e que você obtenha êxito em sua prova de História. Volte sempre.
      Forte abraço.
      Edenilson Morais

      Excluir
  2. Material muito Rico, Extremamente fiel ao contexto histórico e com uma abordagem bem dinâmica.

    ResponderExcluir
  3. Sei q já faz tempo q vc postou isso,mas eu preciso de ajuda.
    Sobre o "Destino manifesto", há algum filme q retrate essa doutrina!??

    ResponderExcluir