segunda-feira, 12 de março de 2012

Confira as avaliações de História do primeiro bimestre (Prova 2)

PRIMEIRA SÉRIE

1. (Ufrrj) Leia o texto adiante sobre a expansão comercial e marítima portuguesa e, com base nele, responda às questões a seguir.

Em 1498, o português Vasco da Gama consegue chegar a Calicute, nas Índias, contornando o Cabo da Boa Esperança. Em seguida, as frotas portuguesas procuraram estabelecer um maior controle do oceano Índico. À medida que as rotas de navegação se consolidam, Portugal centraliza o comércio das especiarias alterando o papel a ser desempenhado pelas cidades de Gênova e Veneza.

THEODORO, J. "Descobrimentos e Renascimento". São Paulo: Contexto, 1991. p. 20.

a) Mencione duas razões que explicam o pioneirismo português nas navegações e descobrimentos dos séculos XV e XVI.

Resolução: a) O pioneirismo português nas Grandes Navegações pode ser explicado pela centralização política precoce de Portugal no contexto da Guerra de Reconquista contra os mouros (muçulmanos) na Península Ibérica. Além disso, ocorreu a consolidação e o fortalecimento do Estado Nacional com a Revolução de Avis (1383-1385) que promoveu uma aproximação entre o rei e a burguesia mercantil, condição que assegurava o gerenciamento da empreitada por parte do Estado e os recursos financeiros junto aos burgueses.

b) Estabeleça uma relação entre práticas mercantilistas e a assim chamada expansão comercial e marítima.

Resolução: b) As conquistas decorrentes da Expansão Marítima e Comercial proporcionaram a possibilidade de aumento dos lucros para a burguesia mercantil e o aumento da arrecadação de impostos pelo Estado, adequando-se assim, à política econômica mercantilista.

2. (PITÁGORAS) A câmara de São Paulo, em 1640, expulsou os padres jesuítas, em decorrência dos constantes atritos entre eles e os bandeirantes (elite local) no trato com os indígenas. Os padres permaneceram fora da capitania por doze anos, sem que nenhuma autoridade metropolitana os socorresse.

NADAI, NEVES,1988. P. 45

a) DETERMINE as funções das Câmaras no período colonial.

b) ESTABELEÇA uma relação de permanência e ruptura entre as funções das Câmaras no período colonial e na atualidade.


Resolução:

a) Órgão legislativo do poder local que tinha como função garantir o abastecimento, a defesa, a execução das leis, os salários e a tributação.

b) Assim como no período colonial as câmaras representam o poder local, sua função é zelar pelo bom funcionamento dos municípios. Hoje as câmaras não representam só os grandes proprietários de terras, mas todo cidadão pode se candidatar a vereador, desde que esteja ligado a um partido político.

3. (UNESP) O padre José de Anchieta escreveu sobre as dificuldades de conversão dos índios ao cristianismo. Por aqui se vê que os maiores impedimentos nascem dos Portugueses, e o primeiro é não haver neles zelo de salvação dos índios [...] e com isso pouco se lhes dá aos senhores que têm escravos, que não ouçam missa, nem se confessem, e estejam amancebados. E, se o fazem, é pelos contínuos brados da Companhia, e logo se enxerga claro nos tementes a Deus que seus escravos vivem diferentemente pelo particular cuidado que têm deles.

(José de Anchieta. "Informação do Brasil e de suas Capitanias", 1584.)

Pela leitura do texto, é correto afirmar que o jesuíta

a) entendia que a escravidão não poderia se tornar um obstáculo à catequização do gentio.

b) opunha-se à escravização dos índios por julgá-la contrária aos princípios do cristianismo.

c) considerava os costumes tradicionais dos indígenas adequados aos mandamentos cristãos.

d) julgava os indígenas ociosos e inaptos para o trabalho na grande empresa agrícola.

e) advogava a sujeição dos índios aos portugueses como meio para facilitar a sua conversão.

Resolução: Os padres da Companhia de Jesus defendiam a catequização dos indígena, fato que os colacava em rota de colizão com os interesses dos colonos portugueses, que desejavam escravizá-los.

Resposta: [A]

(UNESP 2012) Instrução: Leia o texto para responder às questões de números 4 e 5.

Os africanos não escravizavam africanos, nem se reconheciam então como africanos. Eles se viam como membros de uma aldeia, de um conjunto de aldeias, de um reino e de um grupo que falava a mesma língua, tinha os mesmos costumes e adorava os mesmos deuses. (...) Quando um chefe (...) entregava a um navio europeu um grupo de cativos, não estava vendendo africanos nem negros, mas (...) uma gente que, por ser considerada por ele inimiga e bárbara, podia ser escravizada.(...) O comércio transatlântico (...) fazia parte de um processo de integração econômica do Atlântico, que envolvia a produção e a comercialização, em grande escala, de açúcar, algodão, tabaco, café e outros bens tropicais, um processo no qual a Europa entrava com o capital, as Américas com a terra e a África com o trabalho, isto é, com a mão de obra cativa.

(Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos, 2008. Adaptado.)

4. Ao caracterizar a escravidão na África e a venda de escravos por africanos para europeus nos séculos XVI a XIX, o texto:

a) reconhece que a escravidão era uma instituição presente em todo o planeta e que a diferenciação entre homens livres e homens escravos era definida pelas características raciais dos indivíduos.

b) critica a interferência europeia nas disputas internas do continente africano e demonstra a rejeição do comércio escravagista pelos líderes dos reinos e aldeias então existentes na África.

c) diferencia a escravidão que havia na África da que existia na Europa ou nas colônias americanas, a partir da constatação da heterogeneidade do continente africano e dos povos que lá viviam.

d) afirma que a presença europeia na África e na América provocou profundas mudanças nas relações entre os povos nativos desses continentes e permitiu maior integração e colaboração interna.

e) considera que os únicos responsáveis pela escravização de africanos foram os próprios africanos, que aproveitaram as disputas tribais para obter ganhos financeiros.

Resolução
De acordo com o texto, a heterogeneidade predominante na África incluía formas específicas da prática da escravidão, diferentes daquela realizada pelos europeus no Atlântico, e voltada para a América.
Resposta: [C]

5. Ao caracterizar a “integração econômica do Atlântico”, o texto:

a) destaca os diferentes papéis representados por africanos, europeus e americanos na constituição de um novo espaço de produção e circulação de mercadorias.

b) reconhece que europeus, africanos e americanos se beneficiaram igualmente das relações comerciais estabelecidas através do Oceano Atlântico.

c) afirma que a globalização econômica se iniciou com a colonização da América e não contou, na sua origem, com o predomínio claro de qualquer das partes envolvidas.

d) sustenta que a escravidão africana nas colônias europeias da América não exerceu papel fundamental na integração do continente americano com a economia que se desenvolveu no Oceano Atlântico.

e) ressalta o fato de a América ter se tornado a principal fornecedora de matérias-primas para a Europa e de que alguns desses produtos eram usados na troca por escravos africanos.

Resolução:
De acordo com o texto, a América pode ser caracterizada como um espaço econômico que foi criado a partir da atuação simultânea de africanos, europeus e americanos (“…a Europa entrava com o capital, as Américas com a terra, e a África com o trabalho…”).
Resposta: [A]

6. (G1) Descreva as condições geográficas da Grécia.

Resposta: A Grécia era uma região excessivamente acidentada da Península Balcânica que passou a abrigar vários povos de descendência indo-europeia. Aqueus, eólios e jônios foram as primeiras populações a formarem cidades autônomas que viviam do desenvolvimento da economia agrícola e do comércio marítimo com as várias outras regiões do Mar Mediterrâneo.

7. (G1) Explique como funcionavam as comunidades gentílicas (Genos), na Grécia, no período Homérico (XII a.C.-VIII a.C.).

Resposta: As comunidades gentílicas eram importantes núcleos sociais e econômicos de toda a Grécia. Em cada genos, uma família desenvolvia atividades agrícolas de maneira coletiva e as riquezas oriundas de sua força de trabalho eram divididas igualmente. No campo político, os genos eram comandados por um líder comunitário denominado pater, que exercia funções de caráter judicial, administrativo e religioso. Mesmo com a divisão igualitária dos bens, o grau de parentesco com o chefe do genos era capaz de definir algumas distinções sociais. Isso é importante de salientar porque, como veremos, com a vindoura desestruturação da comunidade gentílica, a proximidade com o pater será um elemento determinante para um novo rearranjo social das populações gregas.

8. (UFPR) A "Cidade-Estado" foi uma organização política típica da Grécia antiga. Quais eram as características de uma "Cidade-Estado" (pólis) e quais foram as mais notáveis?

Resposta: Cidades independentes com governo próprio e autônomo, destacam-se Atenas e Esparta.

9. (Uece) A respeito da "Liga de Delos", que seria a base do imperialismo ateniense, podemos dizer corretamente:

a) decorreu da aliança de cidades gregas e persas contra, a expansão macedônica.

b) pretendia libertar algumas cidades gregas, lideradas pela cidade de Delos, da dominação espartana.

c) surgiu de um processo de sujeição ou de domínio exercido por Atenas sobre as demais cidades da Liga.

d) definia-se, de início, como uma aliança militar, que previa autonomia para seus participantes, reservando à Atenas o comando das operações.


resposta:[D]

10. (UNESP) A civilização grega atingiu extraordinário desenvolvimento. Os ideais gregos de liberdade e a crença na capacidade criadora do homem têm permanente significado. Acerca do imenso e diversificado legado cultural grego, é correto afirmar que:

a) a importância dos jogos olímpicos limitava-se aos esportes.

b) a democracia espartana era representativa.

c) a escultura helênica, embora desligada da religião, valorizava o corpo humano.

d) os atenienses valorizavam o ócio e desprezavam os negócios.

e) poemas, com narrações sobre aventuras épicas, são importantes para a compreensão do período homérico.

resposta:[E]



Questões extras


1. (ENEM 2011) “O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente a partir das Cruzadas (séculos XI e XIII) que a sua procura foi aumentando. Nessa época passou a ser importado do Oriente Médio e produzido em pequena escala no sul da Itália, mas continuou a ser um produto de luxo, extremamente caro, chegando a figurar nos dotes de princesas casadoiras".

CAMPOS, R. Grandeza do Brasil no tempo de Antonil (1681-1716). São Paulo: Atual, 1996.

Considerando o conceito do Antigo Sistema Colonial, o açúcar foi o produto escolhido por Portugal para dar início à colonização brasileira, em virtude de:

a) o lucro obtido com o seu comércio ser muito vantajoso.

b) os árabes serem aliados históricos dos portugueses.

c) a mão de obra necessária para o cultivo ser insuficiente.

d) as feitorias africanas facilitarem a comercialização desse produto.

e) os nativos da América dominarem uma técnica de cultivo semelhante.

Resolução:
Considerando o conceito do Antigo Sistema Colonial, o papel da colônia é o de possibilitar o enriquecimento da metrópole (acúmulo primitivo de ouro e prata), oferecendo a ela produtos economicamente viáveis para serem comercializados nos mercados europeus. O açúcar, como afirma o enunciado, era uma especiaria muito relevante para esse comércio, por ser valorizado e procurado em muitos mercados europeus. A fácil adaptação da cana ao solo e clima brasileiros facilitou seu cultivo, principalmente no Nordeste do Brasil, possibilitando lucros muito vantajosos para a metrópole Portugal.
Resposta: [A]

2. (Ufscar) Os conflitos sociais do período arcaico da Grécia antiga resultaram, na cidade de Atenas, no aparecimento de uma nova forma política no transcurso do século V a.C.

a) Qual é o nome da nova organização política ateniense?

Resposta: Democracia.

b) Quais são as suas características mais importantes?

Resposta: O conceito de cidadania dos atenienses não englobava, de fato, a maioria da população: somente os homens livres, de pai e mãe ateniense, maiores de 18 anos e nascidos na cidade eram considerados cidadãos; as mulheres, escravos e estrangeiros não desfrutavam de nenhum tipo de participação política. Dessa forma, a democracia ateniense era excludente na medida em que somente um décimo da população participava do mundo político ateniense.


3. (Ufrj) "A Metrópole, por isso que é mãe, deve prestar às colônias suas filhas todos os bons ofícios e socorros necessários para a defesa e segurança das suas vidas e dos seus bens (...). Estes benefícios pedem iguais recompensas e, ainda, alguns justos sacrifícios; e, por isso é necessário que as colônias também, da sua parte, sofram: 1) que só possam comerciar diretamente com a Metrópole, excluída toda e qualquer outra nação, ainda que lhes faça um comércio mais vantajoso; (...) Desta sorte, os justos interesses e as relativas dependências mutuamente serão ligadas."

(Azeredo Coutinho, J. J. da Cunha. ENSAIO SOBRE O COMÉRCIO DE PORTUGAL E SUAS COLÔNIAS, 1816)

A empresa que se organiza como parte integrante do sistema colonial português na Época Moderna tem como base os elementos da política econômica mercantilista, entre os quais se encontra o monopólio comercial.

a) Identifique duas características da empresa colonial portuguesa na Época Moderna.

b) Explique a função do monopólio comercial no sistema colonial da época mercantilista.

Resolução:

resposta:

a) A predominância da monocultura de produtos tropicais e a tilização da escravidão.

b) A garantia de mercados exclusivos entre outros para a manutenção de uma balança comercial favorável dentro da política mercantilista.

SEGUNDA SÉRIE

1. (UNESP 2012) A tabela contém dados extraídos de A formação do capitalismo dependente no Brasil, 1977, de Ladislau Dowbor, que se referem ao preço médio de um escravo (sexo masculino) no Vale do Paraíba.

Ano

Preço (mil réis)

1835

375

1845

384

1855

1.075

1865

972

1875

1.256

Indique a alternativa, que pode ser confirmada pelos dados apresentados na tabela.

a) A comercialização interna de escravos permitiu que os preços se mantivessem altos na primeira metade do século XIX.

b) A Lei do Ventre Livre, de 1871, foi a principal responsável pela diminuição no número de escravos e pela redução dos preços.

c) A grande imigração, a partir de 1870, aumentou o uso de mão de obra escrava e provocou redução nos preços.

d) A proibição do tráfico de escravos, em 1850, provocou sensível aumento nos preços, pois limitou drasticamente o ingresso de africanos.

e) A aplicação da tarifa Alves Branco, em 1844, aumentou os impostos de importação, dificultou o tráfico de escravos e provocou elevação nos preços.

Resolução
A Lei Eusébio de Queiroz, de setembro de 1850, proibiu o tráfico negreiro para o Brasil, restringindo a entrada de escravos no país. Frente à crescente demanda de mão de obra devido à ampliação da atividade cafeeira, os poucos escravos que ainda entravam no Brasil e o comércio interno que passou a ser praticado, sobretudo, entre o Nordeste e o Sudeste cafeeiro, elevaram o preço dos cativos (como demonstrado na tabela acima).
Resposta:[D]

2. (UFPE 2012) A economia brasileira não se livrou da sua dependência externa, apesar de certa modernização em algumas regiões e do crescimento da lavoura cafeeira no século XIX. Havia semelhanças entre a exploração agrícola do café e a da cana de açúcar.

No entanto, é importante salientar que:

I - a produção do açúcar entrou numa crise imensa depois de 1850, sendo incapaz de organizar suas plantações e manter seus escravos.

II - ambas sofriam de limites técnicos, dificultando a obtenção de maiores lucros e maior agilidade na comercialização de seus produtos.

III - o café teve uma importância decisiva, chegando a representar cerca de 61,5% das exportações nacionais no período áureo.

IV - se utilizaram da mão de obra escrava, não empregando, na sua produção, trabalhadores livres, nem contando com a presença de europeus.

V - o açúcar teve produção destacada em todo o século XIX, com a implantação dos engenhos centrais e de usinas com tecnologia avançada.

Assinale a sequência correta das assertivas de cima para baixo.

a) VVVFV

b) FVVFF

c) VFFFV

d) FFVFF

e) FFVFV

Resulução:

Resposta: FVVFF
Justificativa:
I) Falsa. Apesar das dificuldades, como a queda das possibilidades de cultivo e a redução do número de escravos, a produção do açúcar se
manteve.
II) Verdadeira. Falta de uso de técnicas mais desenvolvidas significou prejuízos e menos capacidade para disputar espaços no mercado internacional.
III) Verdadeira. O café foi o destaque das exportações, influenciando em mudanças nas formas de organização do poder político e na modernização da sociedade.
IV) Falsa. Houve o uso da mão-de-obra livre, e não se pode esquecer a forte presença de colonos europeus na lavoura cafeeira.
V) Falsa. Apesar das tentativas de melhorar a produção do açúcar, ele esteve longe dos seus áureos tempos.

3. (UERJ 2012)

Diversas experiências históricas da sociedade brasileira interferiram nas variações dos fluxos imigratórios nos séculos XIX e XX.

Para o período situado entre 1880 e 1899, a variação indicada no gráfico associou-se ao seguinte fator:

a) expansão cafeeira

b) crise da monarquia

c) abolição da escravidão

d) modernização industrial

Resolução:

Os fluxos migratórios se relacionam, entre outros aspectos, às condições de vida e de trabalho, tanto das sociedades de origem das populações, quanto das sociedades que as recebem. No Brasil, como se observa no gráfico, a década de 1890 assistiu a uma elevação significativa da imigração, em consequência da abolição da escravidão. Tratava-se de um momento de transição do uso predominante do trabalho escravo para o trabalho livre assalariado. Nesse contexto, tendo em vista principalmente as demandas por mão de obra em atividades agrícolas, em áreas do sudeste e do sul expandiram-se políticas governamentais de subvenção e estímulo para a vinda, entre outros, de imigrantes europeus.

Resposta:[C]

4. (PITÁGORAS) A implantação do café no Brasil provocaria diversas transformações socioeconômicas, entre as quais a estabilização financeira, a implantação de um mercado interno e a formação de uma nova aristocracia. Em 1850, o Brasil passaria por um surto industrial. Na política interna, a característica principal seria a conciliação partidária.

INDIQUE duas diferenças entre a cafeicultura no Vale do Paraíba e a cafeicultura no Oeste Paulista.

5. (PITÁGORAS) Analise a tabela sobre os produtos de exportação do Brasil.

Analisando a tabela sobre a economia do Segundo Reinado podemos CONCLUIR que:

a) o Brasil deixou de ser um país monocultor e diversificou sua pauta de exportação sendo o café o principal produto exportado.

b) a segunda fase da Revolução Industrial ocorrida a partir de 1850 contribuiu para que o algodão tornasse o produto mais exportado.

c) o fim do tráfico negreiro ocorrido a partir de 1850 contribuiu para queda das exportações de café devido a falta de mão-de-obra.

d) a entrada maciça de imigrantes ingleses ocorrida na segunda metade do século XIX, fez com que a Erva-mate tornasse o principal produto agrícola brasileiro.

e) a diversificação da agricultura de exportação foi um dos fatores que contribuiu para o grande desenvolvimento industrial brasileiro no final do século XIX.

Resolução: Pela análise dos dados da tabela podemos concluir que ocorreu uma diversificação da economia agrária brasileira ao longo da segunda metade do século XIX, entrentanto ao longo desse período o café continou sendo o carro chefe das exportações brasileira.

Resposta: [A]

6. (G1) Explique a seguinte frase: "A burguesia cruzava os braços deixando Napoleão governar."

Resposta: A ascensão de Napoleão Bonaparte ao final da Revolução Francesa significou a consolidação dos princípios leberais defendidos pela burguesia na França. Portanto pode-se dizer que ele representava os interesses da burguesia, e por conta disso, sua ditadura pode ser caracterizada como burguesa.

7. (UFPR) Em 1806 o imperador Napoleão Bonaparte decretou o chamado Bloqueio Continental. Explique as motivações desse ato e indique suas repercussões.

resposta:O Bloqueio Continental foi a proibição sugerida por Napoleão Bonaparte,em 22 de novembro de 1806,em que impedia o acesso a portos dos países então submetidos ao domínio do Primeiro Império Francês(1804-1814) a navios do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda.Pretendia enfraquecer a economia inglesa e assim ganhar o mercado europeu.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO

“(...) a revolução que não se radicaliza morre melancolicamente, como a burguesa. A rigor, uma só revolução existe, a que se deflagrou em 1789: enquanto viveu, ela quis expandir-se, e, assim, a República Francesa se considerou e tentou universal – até o momento em que a pretensão de libertar o mundo se converteu na de anexa-lo, em que os ideais republicanos se reduziram ao imperialismo bonapartista.”

(RIBEIRO, Renato Janine. A última razão dos reis.São Paulo, Cia. das Letras, 1993.)

8. (PUCSP) Relativamente à expansão napoleônica (1805-1815), pode-se afirmar que acarretou mudança no quadro político europeu, tais como:

a) difusão do ideal revolucionário liberal, ampliação temporária do raio de influência francesa e fortalecimento do ideário nacionalista nos países dominados.

b) isolamento diplomático da nação inglesa, radicação definitiva do republicanismo no continente e estabelecimento do equilíbrio geopolítico entre os países atingidos.

c) desestabilização das monarquias absolutistas, estímulo para o desenvolvimento industrial nas colônias espanholas e implantação do belicismo entre as nações.

d) desenvolvimento do cosmopolitismo entre os povos do império francês, incrementação da economia nos países ibéricos e contenção das lutas sociais.

e) difusão do militarismo como forma de controle político, abertura definitiva do mercado mundial para os franceses, estímulo decisivo para as lutas anti-colonialistas.

resposta:[A]

9. (Mackenzie) Minha maior glória não consistiu em ter ganho quarenta batalhas; Waterloo apagará a memória de tantas vitórias. O que nada apagará, o que viverá eternamente, é o meu Código Civil. Napoleão Bonaparte O Código Civil Napoleônico, promulgado em 1804, assegurava:

a) que os reis franceses só poderiam aumentar impostos ou alterar as leis com a aprovação do Grande Conselho, composto por membros do clero, burgueses e nobres.

b) as conquistas burguesas, como a igualdade do indivíduo perante a lei, o direito à propriedade e a proibição da organização de sindicatos de trabalhadores e das greves.

c) uma organização da Europa em novas bases econômicas e sociais, fixando uma bipolarização ideológica marcada pela tensão internacional, o que reativou o confronto com a Inglaterra.

d) a harmonização dos interesses conflitantes do capital e do trabalho dentro dos quadros das corporações, defendendo que tudo deveria ser feito para a nação, pois esta representava a mais alta forma de sociedade.

e) um planejamento econômico e social baseado na intervenção do Estado na economia, através de investimentos estatais de monta, estimulando uma política de pleno emprego.

resposta:[B]

10. (pucpr) Assinale com V as afirmações verdadeiras e com F as falsas: Sobre o Código Civil elaborado no período napoleônico, podemos afirmar:

( ) Na elaboração houve a atuação direta de Napoleão, embora houvesse uma comissão de quatro membros para elaborá-la.

( ) Traduziu concretamente os princípios da Declaração dos Direitos do Homem: liberdade individual, de trabalho, de consciência; Estado leigo; igualdade perante a Lei.

( ) Proibia a fortuna herdada, a fortuna adquirida e a propriedade privada.

( ) Destacava e protegia o trabalho assalariado e estimulava as coalizões operárias.

( ) Subordinava a mulher ao homem, mantinha o divórcio e restabelecia a escravidão nas colônias.

a) F, V, V, F, F

b) V, F, F, V, F

c) F, V, F, V, V

d) V, V, F, F, V

e) V, F, V, V, F

resposta:[D]



Questões extras

1. (PITÁGORAS) Durante o Segundo Reinado a economia brasileira desenvolveu consideravelmente. Através dos grandes investimentos feitos por Irineu Evangelista Marinho, o Barão de Mauá, o Brasil teve o seu primeiro surto industrial. Este desenvolvimento industrial só foi possível devido à adoção de algumas medidas econômicas por parte do governo. Entre as principais medidas econômicas adotadas pelo governo CITA-SE:

a) A adoção das protecionistas através das Tarifas Silva Ferraz.

b) A renovação do Tratado de Comércio, Aliança e amizade com a Inglaterra.

c) A adoção das Leis para Inglês ver que pôs fim no tráfico negreiro.

d) O fim do Pacto Colonial e abertura dos portos às nações amigas.

e) A adoção das Tarifas Alves Branco e da Lei Eusébio de Queirós que pôs fim no tráfico negreiro.

Resolução: A adoção das Tarifas Alves Branco, que aumento as taxas alfandegárias sobre produtos importados e reforçou o orçamento do Império, além da proibição do tráfico negreiro com a aprovação da Lei Eusébio de Queirós, contribuiram para a ocorrência de um surto industrializante no Brasil, no qual se destacou a ação do Barão de Mauá.

Resposta: [E]

2. (PITÁGORAS)

TEXTO 1: Eu não vejo salvação possível para o estado desolador desta província, senão quando variarmos de cultura e tratarmos de proteger direta e indiretamente a indústria manufatureira. Sem esta indústria não pode manter-se a riqueza pública.

(Gordilho apud ALENCAR, p. 150)

TEXTO 2: Não pertenço ao número dos que se incomodam por existir em nossa Província um só gênero de cultura: em regra geral ninguém vai explorar uma fonte de que lhe provenha receita menor, quando pode ter outra mais abundante.

(Barão de Parnaíba apud TEIXEIRA, p. 205)

Com base na análise dos textos, EXPLIQUE como era a situação econômica do Brasil durante o Segundo Reinado.

Resolução: A economia brasileira, na segunda metade do século XIX, se manteve como fornecedora de gêneros alimentícios e matérias-primas para os países industrializados. O autor do texto II defende a monocultura do café, porque os grandes lucros dela decorrentes conseguiram reintegrar a economia agrícola brasileira no mercado mundial. O crescimento da produção cafeeira, no período considerado, possibilitou a instalação das primeiras ferrovias brasileiras, com forte presença do capital inglês.

3. (FUVEST) Que relação há entre as guerras napoleônicas e os movimentos de independência da América Espanhola?

Resposta: Com a desarticulação do poder monárquico, ou seja, o Antigo Regime, abriu uma possibilidade para o fortalecimento das relações internas das colônias.

4. (UNIRIO) "Milhares de séculos decorrerão antes que as circunstâncias acumuladas sobre a minha cabeça vão encontrar um outro na multidão para reproduzir o mesmo espetáculo." (Napoleão Bonaparte) Sobre o período napoleônico (1799-1815), podemos afirmar que:

a) consolidou a revolução burguesa na França através da contenção dos monarquistas e jacobinos.

b) manteve as perseguições religiosas e o confisco das propriedades eclesiásticas iniciadas durante a Revolução Francesa.

c) enfrentou a oposição do exército e dos camponeses ao se fazer coroar imperador dos franceses.

d) favoreceu a aliança militar e econômica com a Inglaterra, visando à expansão de mercados.

e) anulou diversas conquistas do período revolucionário, tais como a igualdade entre os indivíduos e o direito de propriedade.

resposta:[A]

TERCEIRA SÉRIE

1. O que foi a "questão romana" e como foi resolvida pelo Tratado de Latrão, entre Mussolini e o Papa Pio XI?

Resposta: Conflito entre a Igreja católica e o Estado Italiano. Quadro da unificação Italiana. A solução foi a criação do Vaticano (Autônomo).


2. Quais os dois Reinos que lideraram as unificações Italiana e Alemã. Explique o por que dessa liderança.

Resposta: Alemanha, foi o reino da Prússia e na Itália, foi o reino do Piemonte-Sardenha (Lombardia). Nos dois casos é onde encontramos a burguesia industrial mais desenvolvida e consolidada sobre uma crescente industrialização destes reinos.


3. Antes de 1871, a Alemanha não era propriamente um país, mas um território politicamente dividido em trinta e nove pequenos Estados. Porém, desde 1834, o seu mercado encontrava-se unificado através do "Zollverein". E foi sobre esta base que se construiu o Império Alemão em 1871.

a) Cite o Estado alemão que liderou a mencionada unificação.

resposta: a) Prússia.

b) Esclareça no que consistiu o "Zollverein"


b) União a partir da quebra das barreiras alfandegárias, padronização de pesos, medidas e tarifas.



4.(Cesgranrio) Alemanha, foi a Prússia e na Itália, a Lombardia. Nos dois casos é onde encontramos a burguesia industrial mais desenvolvida e consolidada sobre uma crescente industrialização destes reinos.

Os movimentos nacionais, na Alemanha e na Itália, na 2 metade do século XIX, além das diferenças políticas têm como objetivo a:

a) unidade política e econômica como requisito para o desenvolvimento capitalista através do fortalecimento do Estado e da integração geográfica dos mercados.

b) independência econômica frente à intervenção econômica inglesa com a manutenção de estruturas de produção medievais.

c) valorização do arianismo como instrumento de recuperação do homem germânico e italiano e criador do "espaço vital".

d) construção de um estado forte inspirado nos modelos orientais como base política para a recuperação da posição que Itália e Alemanha haviam ocupado no final do século XVIII.

e) manutenção de uma política de proteção territorial contra os interesses franceses resultantes da expansão napoleônica assentados numa perspectiva política conservadora.

resposta:[A]


5. (Mackenzie) A unificação política da Alemanha (1870-1871) teve como consequências:

a) a ruptura do equilíbrio europeu, o revanchismo francês, a revolução industrial alemã e política de alianças.

b) enfraquecimento da Alemanha e miséria de grande parte dos habitantes do sul, responsável pela onda migratória do final do século XIX.

c) a anexação da Alsácia e Lorena, o empobrecimento do Zollverein e retração do capitalismo.

d) corrida colonial, revanchismo francês, o enfraquecimento do Reich e anexação da Áustria.

e) o equilíbrio europeu, a aliança com a França, a formação da união aduaneira e a Liga dos Três Imperadores.

resposta:[A]

6. (PITÁGORAS) A pecuária foi importante atividade na América Portuguesa, muito embora tenha sido subsidiária tanto na economia açucareira quanto na economia mineradora. No começo, os bois eram criados dentro dos engenhos. Aos poucos foram se instalando no interior da colônia.

Com relação à pecuária é correto afirmar, EXCETO:

a) a pecuária foi introduzida no Brasil durante o governo geral em razão da utilização da tração animal nos trabalhos dos engenhos.

b) a pecuária extensiva contribuiu para a colonização do interior do Brasil e consequentemente para a formação de diversas vilas.

c) a pecuária tornou-se uma atividade econômica bastante rentável devido ao seu baixo custo operacional e grande valor do couro.

d) a criação do gado de forma extensiva contribuiu para o surgimento dos vaqueiros que eram trabalhadores livres e assalariados.

e) a criação de gado no interior do país foi proibida através da Carta Régia de 1701, por esta área estar reservada para o cultivo da cana-de-açúcar.

Resolução: A Pecuária contribui significativamente para a ocupação do interior do território da América portuguesa, foi uma atividade econômica paralela e complementar à economia açucareira. Utilizou-se de mão de obra livre, embora também tivesse empregado trabalhadores escravos. Entre as principais áreas pecuaristas ao longo dos séculos XVI e XVII, destaque o Vale do rio São Francisco.

Resposta: [E]

7. (PITÁGORAS) O negro, na África, era encurralado pelo próprio negro; havia tribos que capturava o inimigo para vender, um Yorubá não considerava um Fon como seu semelhante, o considerava como inimigo e como individuo inferior que podia ser escravizado, e assim também acontecia entre outras tribos inimigas. O escravo negro era uma mercadoria cara, valia muito dinheiro.

a) EXPLIQUE porque a escravidão era uma atividade econômica que dava duplo lucro.

Resposta:

a) Porque os senhores lucravam com o trabalho do escravo e com o comércio do mesmo.

b) EXPLIQUE o que era o “negro de ganho”.

Resposta: b) O negro de ganho era um escravo alugado por seu senhor para trabalhar para outra pessoa sendo que a remuneração pelo trabalho ficava com o dono do escravo.

8. Observe os mapas.

a) EXPLIQUE de que forma o gado contribuiu para a configuração do território brasileiro a partir do século XVII.

Resposta: a) Na pecuária extensiva e com a proibição da criação de gado no litoral, os pecuaristas buscaram regiões mais no interior da colônia para criarem o gado. Desta forma cada vez mais o cada foi entrando para o interior promovendo assim uma expansão do território brasileiro além da linha de Tordesilhas.

b) IDENTIFIQUE nos mapas outras atividades econômicas que contribuíram para a formação do território brasileiro e em quais regiões elas desenvolveram.

Resposta: b) Drogas do sertão e a mineração.

9. (UFPE 2012) O trabalho escravo garantia a colonização, mesmo que atingisse a dignidade humana e se chocasse com os princípios da religião católica romana, uma das instituições articuladoras da ocupação das terras americanas. No Brasil colonial, o trabalho escravo:

I - foi usado nas plantações de cana de açúcar, mas recebeu a condenação dos holandeses no período de suas invasões às terras pernambucanas.

II - definiu a identidade cultural da sociedade da época, sendo aceito, pelos nativos, sem resistência, em todas as atividades econômicas da colônia.

III - contou com a participação de comerciantes europeus nas conexões com a África, favorecendo os países poderosos, como a Inglaterra.

IV - estendeu-se pela região sudeste, mas não participou, com destaque, da exploração do ouro, devido à falta de preparo técnico dos trabalhadores.

V - conseguiu fixar-se na monocultura, com presença marcante na produção do açúcar, o que não o impediu de existir, embora com menos intensidade, nas vilas e cidades da colônia.

Assinale a sequência correta das assertivas de cima para baixo.

a) VVVFV

b) FVVFV

c) VFFFV

d) FVVFF

e) FFVFV

Resolução:FFVFV

Resposta: [E]
Justificativa:
I) Falsa. Os holandeses não se interessaram em condenar a escravidão. Queriam aumentar seus lucros e usufruir dos benefícios possíveis.
II) Falsa. Houve resistências de escravos e de parte da população. Organizaram-se fugas, rebeldias e protestos dos mais liberais.
III) Verdadeira. A escravidão rendeu lucros exorbitantes para a Inglaterra. Depois, por interesses econômicos, a Inglaterra pressionou os outros países para acabar com uma prática que lhe havia trazido fortalecimento na sua posição imperialista.
IV) Falsa. O trabalho escravo foi importante na exploração das minas. Não formou as mesmas sociabilidades da sociedade açucareira, mas esteve atuante na construção de riquezas.
V) Verdadeira. É indiscutível a importância da escravidão para a ocupação das terras coloniais. Não se pode negar, ainda, sua participação na vida urbana, realizando alguns ofícios e trabalhos domésticos.

10. (UFPE 2012) A presença dos holandeses foi marcante na história dos tempos coloniais. De fato, os holandeses possuíam grande poder de investimento e tinham rivalidades com outras nações da Europa. No Brasil, a presença holandesa em terras pernambucanas:

I - deu-se, apenas, devido às rivalidades religiosas existentes entre católicos e protestantes, responsáveis por guerras contínuas e influentes na gestão das terras americanas.

II - favoreceu o crescimento da produção açucareira, afastou a Espanha de Portugal e trouxe vantagens para as relações políticas com a democracia.

III - movimentou o mercado internacional do açúcar, alterou relações diplomáticas e trouxe novas práticas sociais.

IV - derrubou os preconceitos contra a mão de obra escrava e recuperou Pernambuco da forte crise econômica que atravessava.

V - trouxe novos hábitos para a colônia, com a vinda das ideias renascentistas, embora não tenha consolidado a aceitação da religião protestante na sociedade da época.

Assinale a sequência correta das assertivas de cima para baixo.

a) FFVFV

b) FVVFV

c) VFFFV

d) FVVFF

e) VVVFV

Resposta: [A]
Justificativa:
FFVFV
I) Falsa. A Holanda tinha rivalidades com a Espanha, mas veio movida por interesses econômicos e disputas pelo mercado internacional do açúcar.
II) Falsa. Os holandeses tiveram dificuldades para administrar a produção açucareira. Suas contribuições sociais e culturais tiveram significado, mas não articularam mudanças.
III) Verdadeira. O mercado passou por turbulências e se reestruturou. Muitos novos
hábitos culturais tornaram-se conhecidos, trazendo influências para a vida cotidiana da colônia.
IV) Falsa. A escravidão não foi o alvo dos projetos holandeses. Seus planos de dominar a produção local terminaram fracassando. Foram expulsos, depois de conflitos violentos.
V) Verdadeira. Houve influências, mas não transformações que importassem numa revolução de costumes e crenças religiosas.

Questão extra

1. A Unificação Italiana mesclou as lutas nacionais com as reivindicações dos camponeses que queriam o fim do laço de servidão e o acesso à terra. Mas essas reivindicações não foram atendidas.

a) De que forma a unificação beneficiou a população do norte da Itália em detrimento dos camponeses do sul?

b) Quais as consequências sociais do aumento da miséria entre os camponeses italianos do sul?

Resposta: a) O norte liderou a unificação a partir de uma monarquia liberal industrializando-se com mão-de-obra barata do sul.

b) Êxodo rural. Muitos desempregados emigraram para as Américas.


2.Por que a propaganda Liberal incentivava italianos e alemães a constituírem seus Estados?

Resposta: Porque a divisão destes países em várias repúblicas, reinos e principados impedia a constituição de um mercado único nacional, e o livre desenvolvimento do comércio e da produção.

3.(Ufv) Durante a segunda metade do século XVII, os portugueses perderiam grande parte do controle do comércio do Oriente e das rotas do Oceano Índico para os holandeses, que, por sua vez, logo se veriam superados pelos ingleses. Holandeses e ingleses deviam seu sucesso à capacidade de organizar e financiar seus empreendimentos simultaneamente militares e comerciais.

a) Qual o principal instrumento de política colonial dos holandeses e ingleses?

b) Aponte um evento que indique os desdobramentos da concorrência entre as grandes potências na América Portuguesa.

Resolução:

a) As companhias de comércio.

b) A presença holandesa no Brasil entre 1630 e 1654 no contexto da União Ibérica (1580-1640) em razão do conflitos políticos que envolviam Espanha e Holanda, pois os holandeses que participavam ativamente do comércio do açúcar brasileiro transportando e distribuindo-o na Europa, foram privados pela Coroa espanhola detentora do governo sobre Portugal e suas colônias e que havia perdido o domínio sobre os Países Baixos.



Um comentário: